Escrito por Elton Melo
Categoria:

capas serie dsm

 

 

 

 

 

 

Ilustração acima: capas de 2018, 2019 e 2020 - Após estudarmos os panoramas bíblicos, de Gênesis a Apocalipse (2008 a 2014) e temas da atualidade (2015-2017), agora para o triênio 2018 a 2020, estudaremos o currículo “Crescimento e Maturidade”, que é baseado no tripé DSM (discipulado, serviço e multiplicação). Nas próximas edições detalharemos cada um destes temas. A ideia central é prover para as nossas Igrejas (e outras que também usam a RED e REJ), um trilho de crescimento e maturidade para a vida cristã, que fique incorporado na vida da igreja local, permitindo que seja facilmente reproduzido, possibilitando o amadurecimento da Fé, o crescimento da Obra do Senhor e a multiplicação do rebanho de Deus.

A Editora Batista Independente lançou o plano trienal de desenvolvimento cristão (chamado DSM – Discipulado, Serviço e Multiplicação), visando o realinhamento, a junção de esforços e o crescimento espiritual dos membros das nossas Igrejas e, consequentemente, o crescimento numérico e qualitativo das Igrejas. Com base em pesquisas realizadas ao longo dos anos de 2014 e 2017, identificamos a necessidade de formulação de um trilho de crescimento, com DNA Batista Independente e focando na nossa realidade. Assim, já estamos produzindo 12 REDs que enfocarão os seguintes temas centrais: a) 2018 – Discipulado; b) 2019 – Serviço; c) 2020 – Multiplicação.

As nossas igrejas terão recursos extremamente atualizados, contextualizados para o nosso perfil de membresia e de acordo com os Princípios da Nossa Fé, que poderão ser usados em uma escola bíblica no formato tradicional ou em pequenos grupos.  Para o Período 2018 a 2020, a RED e a REJ trarão como temas centrais do ano as seguintes linhas de estudo/ação:

ANO

TEMA CENTRAL

IDEIA CENTRAL

VERSÍCULO CHAVE

2018

DISCIPULADO

Enfatizar o valor do relacionamento na vida cristã, a partir do chamado imperativo de todo cristão, para fazer discípulos. Precisamos compreender o que é o discipulado bíblico, um a um, centrado em Cristo e não no discipulador.

“Portanto ide, fazei discípulos...” Mateus 28:19

2019

SERVIÇO

Somos salvos para fazer algo importante, significativo. Sem nós Deus não fará. A Igreja é o braço de Deus neste mundo, somos a demonstração visível do Reino de Deus a este mundo e isso se dá através do nosso serviço ao Senhor e ao próximo. Se queremos ser uma igreja relevante, esta precisa ser focada no outro.

“Porque somos criação de Deus ....para fazermos boas obras” – Efésios 2.10

2020

MULTIPLICAÇÃO

Nossa missão é anunciar as virtudes (poder em ação). Ênfase no conceito de Igreja Missional, ou seja, o crente que vive missões a partir do seu espaço de inserção, do outro lado da rua, que através dos atos e testemunhos, alcança pessoas para Cristo.

“Mas vós sois a geração eleita ... para que anuncieis as virtudes”. 1 Pe 2.9

Diante disso, entendemos que é necessário que nós, como denominação, tenhamos uma metodologia clara, falemos a mesma linguagem e trabalhemos na mesma direção para que os esforços sejam sinergizados. Aqui o grande segredo, será conseguirmos trabalhar todos juntos, em unidade, dentro de cada Igreja, regional e nacional. Para isso, pedimos que os pastores programem, suas agendas locais para encaixar a programação. Temos certeza que será extremamente bem sucedidos nisso.


2018 - Discipulado

capas2018curvadas

Desde as primeiras lições de 2018, usaremos a intencionalidade para alcançar os resultados propostos. Será o ano todo estudando através dos personagens da Bíblia, como podemos fazer na prática Grande Mandamento – “ide por todo o mundo fazendo discípulos...”. Ao mesmo tempo, serão sugeridos para os pastores, que utilizem o púlpito com mensagens que venham complementar o assunto abordado na RED/REJ. Durante todo o ano de 2018, o assunto principal será o DISCIPULADO.

Inclusive teremos uma campanha de 40 dias de Jejum e Oração (de 14 de maio a 22 de junho), cujo assunto central será o discipulado. Portanto, programem-se para isso. O que é discipulado para nós? Podemos traduzir isso com as seguintes informações: “discipulado é um relacionamento pessoal e comprometido entre discípulo de Cristo, visando o crescimento e amadurecimento da Fé”. Há três pré-condições para ser um discípulo de Cristo:

  1. Permanecer em sua Palavra (João 8.31);
  2. Amar outros discípulos de Jesus (João 15.35); e,
  3. Alguém que dá muito fruto (João 15.8).

Quando praticamos estas três condições, não é necessário pregar; as pessoas nos reconhecerão como discípulos de Cristo. Discipulado é investimento em pessoas, através de relacionamentos saudáveis e afim que se tornem maduras e frutíferas, capazes de reproduzir o mesmo processo em outras.

 Clique aqui para acessar o plano de Estudos de 2018.


2019 - Serviço

RED2019 curvado

Os temas de 2019, serão enfocados tendo como base a necessidade de envolvimento dos crentes com a Obra na sua Igreja local e na comunidade onde esta Igreja deve ser relevante. Uma igreja só é relevente ser for relevante para os de fora. Alías é este o sentido da Ekklesia, a assembleia dos romanos que decidia sobre a vida da comunidade onde o império romano estava presente. Uma igreja é relevante quando suas ações são percebidas por toda a comunidade do entorno. Nos primeiros anos da Igreja Cristã, através das atitudes práticas daqueles cristãos, servindo ao próximo, eles foram reconhecidos pelos de fora, como cristãos (Atos – antioquia). Quando os de fora nos veem, que imagem que eles tem de nós?

Nas nossas igrejas, de maneira geral, 80% dos crentes apenas “desfrutam”, e os 20% que se envolvem ficam sobrecarregados, com atividades que em sua grande maioria, estão voltadas para a realização do culto. Faltam músicos, diáconos, cooperadores, servos.... sobra gente querendo ser honrada. Sem percebermos a cultura do mercado se instalaou nas nossas igrejas. Não é mais Jesus, ou a presença do Espirito Santo, o grande diferencial, mas sim, a nossa organização. Igrejas muito bem organizadas, tem crescido, igrejas desorganizadas, estão perdidas. As Igrejas organizadas, criam um produto de consumo, um culto, um evento, uma conferencia, se especializam nisso, fazem muito bem feito e assim atraem consumidores, ávidos por novidades e atratividades. Engrossa-se o tamanho do auditório, mas a grande realidade é que estas pessoas tem pouco ou baixo envolvimento com o fazer nestas organizações. Quando insatisfeitas ou atraídas por algo “melhor”, troca-se de Igreja, evento, igual trocamos de supermercado.

Mas não é esse o nosso chamado, como cristãos. Fomos chamados para florescer no lugar em que fomos plantados pelo Senhor. A salvação recebida gratuitamente pela Fé em Efésios 2.8-9, tem o seu propósito supremo no versículo 10: “para as boas obras que Deus de antemão preparou para nelas andarmos”. Somos salvos para uma ação, atitude. Não somos salvos pelas boas obras, mas uma vez salvos, há boas obras para serem feitas (e boas obras aqui ´não é ser dizimista).

O foco das lições de 2019, busca envolver os crentes com a obra do ministério (serviço). 60% dos temas serão voltadas para o serviço na Igreja local e 40% para o serviço na comunidade. Será previso revisar o o conceito de trabalho pastoral. Muitos crentes acham que na Igreja quem tem que trabalhar é o pastor pois afinal ele é que é pago para isso (muitas vezes mal remunerado). Os crentes exigem um superpastor, onde ele tem que organizar, supervisionar, visitar, pregar, orar, rir e chorar, mas se esquecem que a função dos pastores e dos demais líderes da Igreja, confome o texto de Efésios 4.11, 12, é a preparação dos crentes para a obra do Ministério. Deus deu ‘a sua Igreja pastores, mestres, doutores, profetas e apóstolos, com a finalidade de preparar os vrentes para a Obra. Quem faz a Obra (o ministério = serviço), são os crentes e nãos os pastores.

Cremos que estas lições irão chacoalhar as nossas Igrejas. Vamos ser confrontados, em amor, e perceber o quanto podemos fazer a diferença, afinal o crente é chamado a ser sal e luz no mundo.

Mostraremos, pelos exemplos que temos mas nossas Igrejas, que pequenas ações são muito relevantes para as comunidades do entorno. Sim temos bons exemplos. Temos um braço especial, chamado FEPAS – Federeção de Entidades e Projetos Assistenciais, que é referncia entre as Igrejas evang~elicas no Brasil (em que pese o nosso pequeno tamanho denominacioal). Através da FEPAS, mais de 50 projetos sociais estão articulados e funcionando de forma especial. E olha que isso é uma pequena fração das nossas quase 1000 igrejas.

Podemos fazer mais.

O resultado, quando nos importamos com o outro, com o menos favorecido, o desvalido, é que cumprimeremo a “lei perfeita  ......(Isaias), e assim as pessoas verão os cristãos não como algu[em que faz apenas bonitos discursos éticos morais, mas alguém que interega com a realidade social e faz a diferença. Deus pode fazer muito com uma psseoa que se coloca em suas mãos.

Clique aqui para acessar o plano de Estudos de 2019.


2020 – Multiplicação

RED2020 deitada

Todo rebanho visa a reprodução, e não há mal algum nisso. Somos chamados a ocupar a terra com servos de Deus, despovoando o inferno. Nosso problema não é saber o que tem que ser feito, gerar filhos. O nosso problemas e não saber como. Nos perdemos correndo atrás da metodoligia da moda, assimilando todo tipo de teoria, que em sua ênfase até é boa, mas a nossa sede e pressa, faz com que corramos atrás de pacotes prontos.

Na área de reprodução, há uma regra essencial. Todo rebanho se multioplica, e se multiplica conforme a sua característica. Uns com menor tempo e má qualidade, outros muito demorado, e nem sempre com qualidade e alguns com bons resultados quantitativos e qualitativos.

Nosso foco missionórios tornou nossa denominação uma agencia efetiva de envio missionário. Mas al longo dos últimos 40 anos, nosso conceito de missão foi apenas um conceito de terceirização. Jogamos nas costas da CIBI a responsabilidade de manter os missiona´rios no campo. Das mais de 1000 igrejas e congregações, temos um número em torno de 15% que são participantes dos desafios missionários. E, para a grande maioria destas igrejas, fazer missões é enviar regularmente a adoção comprometidade e anualmente a oefeta de missões. (Glóarias ao Senhor pelas que ainda assim fazem), mas a grande maioria delas, está desconexa do que ocorre na denominação. Missões, para elas, é um problema da CIBI (ou de outra qualquer denominação).

Clique aqui para acessar o plano de Estudos de 2020.


Metodologia de aplicação

Nós queremos que as igrejas usem o tema central da revista como tema para o ano denominacional, e que de posse da programação dos 52 domingos de 2018, os pastores programem intencionalmente como aproveitar cada um dos temas abordados. É preciso que a mensagem pregada no púlpito no principal culto da semana, seja coerente com a ministração da aula, no domingo pela manhã, na Escola Bíblica.

Nós também estamos viabilizando o estudo da RED e da REJ (cujos temas centrais serão os mesmos), possam ser efetivados em pequenos grupos ou células, em horários alternativos, o que facilitará o envolvimento dos participantes.

Em cada lição de 2018, estudaremos os personagens bíblicos relacionando-se entre si, pois cremos na ideia de que discipulado é transferência de vida e valores. Em todas as lições teremos atividades práticas sugeridas e caberá a cada pastor, líder, fazer acontecer na sua igreja.

Encontrou um erro de digitação? Por favor, selecione-o e pressione Ctrl + Enter.