As crianças nascem no pecado ou com pecado?

Crianças pecam? As crianças que morrem na infância e as pessoas que não tiveram a possibilidade de exercer uma fé consciente enquanto vivas, serão salvas? Moisés falou de crianças que não conheceram nem o bem nem o mal (Deuteronômio 1.39). O que acontece a uma criança que morre quando ainda bebê? Vai para o céu ou para o inferno? Se uma criança de seis anos comete um crime isso é pecado diante de Deus? É certo ou errado batizar crianças? As crianças que morrem antes de terem a capacidade de definir o certo e o errado vão para o céu, para o inferno ou ficam no limbo (purgatório)? Para tentar responder a essas perguntas escrevi este texto.

Na visão de Gary Fischer, muitos grupos religiosos ensinam que o pecado é herdado e que, portanto, as crianças nascem em pecado. Esta doutrina forma a base para a prática do batismo das crianças e para o conceito da Imaculada Conceição de Maria. Para os luteranos, por exemplo, ensinam que desde que Adão e Eva caíram em pecado, todos os seres humanos são concebidos e nascem já contaminados com este mal. “De fato, tenho sido mau desde que nasci; desde o dia em que fui concebido tenho sido pecador”. (Salmo 51.5). Esta é a situação de todas as pessoas. Nascem com pecado, que herdaram de seus pais, por isso batizam também as crianças. Na visão luterana, o batismo é um ato de regeneração, pois para eles quando somos batizados, Deus nos perdoa os pecados, tanto o original quanto o atual. 

Mas Bíblia ensina que o pecado não é hereditário (Gary Fisher confunde pecar com natureza inclinada ao pecado) . O pecado é uma violação da lei de Deus (1 João 3.4). O pecado é cometido, não é herdado (o que é herdado é a natureza adâmica). Ezequiel simplesmente diz que "o filho não levará a iniquidade do pai" (Ezequiel 18.20). Um homem tem que dar conta a Deus de suas próprias ações e não daquelas feitas por qualquer de seus ancestrais (Romanos 2.6; 14.12; 2 Coríntios 5.10).

Cristo nasceu de uma mulher e se tornou como seus irmãos em tudo, entretanto ele não foi maculado pela culpa do pecado de sua mãe. Se o pecado fosse hereditário, Jesus teria nascido um pecador (veja Hebreus 2.14-18; 4.15), (veja o artigo A impecabilidade de Cristo). Quando uma criança cresce, chega o tempo em que ela é atraída por seu próprios desejos, é tentada e peca (Tiago 1.14-15). Nesse tempo ela é culpada de pecado diante de Deus e necessita da salvação. Antes disto, as crianças são puras, sem pecado e seguras aos olhos de Deus (visão de Gary Fisher).

As doutrinas que vêm desta ideia não são bíblicas. As crianças nunca foram batizadas, no Novo Testamento. Somente aquelas que pudessem crer e se arrepender eram pessoas preparadas para o batismo (Atos 2:38; 8:12: 18:8, etc.) A doutrina da Imaculada Conceição de Maria (que diz que, por milagre, ela nasceu sem a culpa do pecado de Adão) foi inventada para escapar da conseqüência, que Jesus nasceu culpado de pecado. Maria teria nascido sem pecado, como qualquer criança, e depois teria sido preservada do pecado por Deus para que fizesse nascer o Seu filho. Basicamente é isso que a Igreja Católica prega, e algumas igrejas evangélicas também dizem que crianças não têm pecados, exceto a natureza pecaminosa, mas que esta não seria suficiente para condená-las ao inferno se morressem. Mas o que é condenável: aquilo que uma pessoa faz ou aquilo que uma pessoa é? Para tentar sanar esta dúvida a Igreja Católica, baseada em Tomás de Aquino, que se baseou em Aristóteles, para ser fiel à sua doutrina, criou a tese do LIMBO como morada de destino provisório da criança pecadora, pois defendia que ela tinha uma natureza pecaminosa que a contamina por inteiro e que somente Cristo pode lhe salvar, portanto se morresse sem a redenção de Cristo não seria lógico que fosse para o Céu, local dos redimidos, pois ela não nasce santa e não confessou seus pecados conscientes e inconscientes. Por isso somente Maria teria recebido o especial favor de Deus para nascer sem pecado (uma imaculada gestação e concepção). Atualmente o Papa Bento XVI está revendo a doutrina do Limbo, mas ainda não chegou a um ponto final na questão.  Mas as Escrituras, em lugar nenhum, insinuam que o nascimento de Maria fosse de algum modo fora do comum.  

Na visão da Igreja Católica Romana e algumas denominações protestantes que ensinam alguma forma de regeneração batismal, crianças não batizadas, não são salvas enquanto bebês batizados são (ou podem ser). Porque essa visão se choca com as crenças da grande maioria dos protestantes (tanto reformados, quanto evangélicas)? Vamos ver a seguir três pontos de vista sobre o destino das crianças que morrem. Entre aqueles que defendem esse ponto de vista estão RC Sproul, John MacArthur, John Piper, BB Warfield e Charles Spurgeon. Esta visão ensina que Deus, na sua graça, escolhe para salvar todos os que morrem na infância. Enquanto adeptos afirmam a gravidade do pecado original e reconhecem que todas as crianças tenham herdado uma natureza pecaminosa de Adão. Eles também ensinam que Deus estende a graça especial para essas crianças.

Sproul diz que crianças que morrem recebem uma dispensação especial da graça de Deus; não é por sua inocência, mas pela graça de Deus que eles são recebidos no céu. A natureza pecaminosa, então, não é razão suficiente para Deus condenar a criança, por que a salvação é pela graça. A condenação é pelas obras.

John MacArthur, em seu livro "Seguro nos braços de Deus", aponta que a Bíblia consistentemente refere-se aos habitantes do inferno como sendo aqueles que intencionalmente cometeram pecados e rebelião. Ele acredita que Deus não condena as crianças porque: “elas não têm nenhuma rebelião intencional ou descrença. Elas nunca suprimiram a verdade. Elas não têm nenhuma compreensão do impacto ou as consequências do pecado. Elas não têm nenhum comportamento degradado, e elas não têm capacidade de escolher a salvação.” MacArthur conclui que não há nenhum lugar na Bíblia em que uma pessoa sofre o julgamento de condenação com base em nada além de atos pecaminosos, incluindo o pecaminoso ato de descrença, que é uma escolha consciente, deliberada, e intencional para desacreditar.

A opinião de John Piper - John Piper, depois de reconhecer a presença e importância do pecado original, diz que se uma pessoa não tem a capacidade natural de ver a revelação da vontade de Deus ou a glória de Deus. Então o pecado dessa pessoa não permaneceria. Deus não traria a pessoa em julgamento final por não acreditar que ela tinha capacidade natural de ver. Em resposta aos Romanos 1, que fala da revelação de Deus através da natureza como deixar aqueles que nunca ouviram o evangelho, sem desculpa. Piper diz que se uma pessoa não tiver acesso à revelação da glória de Deus, não tem a capacidade natural para vê-lo e compreendê-lo, então Paulo implica que eles terão uma desculpa no julgamento. Ele conclui: “A questão para nós é que mesmo que nós, seres humanos estão sob pena de eterno julgamento e morte por causa da queda de nossa raça em pecado e a natureza pecaminosa que todos temos. No entanto, Deus apenas executa este julgamento sobre aqueles que têm a capacidade natural de ver sua glória e compreender a sua vontade e se recusam a adotá-la como seu tesouro. Crianças, creio eu, ainda não têm essa capacidade; e, portanto, de modo inescrutável de Deus, ele lhes traz sob o sangue perdoador de seu Filho”.  

Recebemos a condenação pelo pecado que cometemos ou pela natureza pecaminosa que herdamos de Adão? É preciso cometer o ato de pecar para ser condenado? Acredito que estas perguntas foram respondidas indiretamente na conversa de Jesus com Nicodemos em João, capítulo 3. “Jesus respondeu: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.” João 3.5-6

Jesus e Adão são colocados em contraste, são opostos, no evangelho de João e na teologia paulina. Adão deu origem a descendentes da carne; Jesus, a descendentes espirituais. Adão gera descendentes condenados, Cristo, descendentes justificados. O pecado de Adão e Eva atinge a todos. Paulo aos Romanos diz: "pela desobediência de um só, todos nos tornamos pecadores" (Romanos 5.9). "Por meio de um só homem o pecado entrou no mundo e, pelo pecado, a morte, assim a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram" (Romanos 5.12). Cristo combate esse pecado universal, trazendo a justificação que dá vida. Romanos 5.14 - "No entanto, a morte reinou de Adão até Moisés, mesmo sobre aqueles que não pecaram à semelhança da transgressão de Adão, que é figura daquele que havia de vir." E em 1 Coríntios 15.22 Paulo afirma - "Pois, assim como em Adão todos morrem, do mesmo modo em Cristo todos serão vivificados." E completa em 1 Coríntios 15.45 - "Assim, também está escrito: Adão, o primeiro homem, tornou-se ser vivente, e o último Adão, espírito que dá vida." Toda descendência de Adão nasce manchada pelo pecado. Adão produziu apenas descendentes carnais (natureza humana) – Há três textos interessantes:

1. “Eu nasci em iniquidade, e em pecado minha mãe me concebeu”. Salmo 51.5 - Alguns tentam ler o versículo como sendo o pecado da mãe de Davi e não o dele mesmo (há estudos que contradizem isso:  leia o texto: Rei Davi, um bastardo?). Mas não há referência bíblica de que a concepção de Davi tenha sido fruto de pecado, como foi, por exemplo, o caso do filho de Davi com Bate-Seba – temática do versículo, inclusive. Não é possível admitir, a não ser que seja mesmo por puro pretexto, a interpretação do “em pecado” como sendo da mãe e não do filho. O próprio salmo 51 é a confissão de Davi do seu pecado com Bate-Seba, colocando-se como pecador desde o primeiro verso! Ao dizer que pecou, Davi demonstra que sua natureza é pecaminosa desde a sua concepção – o foco do verso quinto do salmo. Ele não está dizendo que seu filho com Bate-Seba nasceu em iniquidade, e em pecado sua mãe (Bate-Seba) o concebeu. Não! Davi está falando dele mesmo e não do seu filho.

2. “O SENHOR sentiu o aroma suave e disse em seu coração: Não tornarei a amaldiçoar a terra por causa do homem, pois a imaginação do seu coração é má desde a infância; nem tornarei a ferir de morte todo ser vivo, como acabo de fazer”. Gênesis 8.21 - isso mostra a força da natureza humana inclinada ao pecado.

3. “Os ímpios se desviam desde o ventre; andam errados desde que nasceram, falando mentiras”. Salmo 58.3 - mostra também que o ser humano nasce com a natureza inclinada ao pecado - interessante que não é necessário ensinar uma criança a mentir, ela aprende sozinha.  Jesus afirma que os nascidos da carne são carne e que este nascimento da água e do espírito é posterior ao nascimento da carne, sem o qual não será possível entrar no reino de Deus. 

Portanto, somos salvos da condenação que o pecado original traz sobre nós pela fé em Cristo (Efésios 2.8-9), pelo Seu sacrifício na cruz, pela operação do Espírito do Senhor em nossa vida. Essa fé é uma fé consciente, ou seja, a pessoa crê racionalmente que é uma pecadora, que Jesus Cristo morreu por ela na cruz e, neste ato, expiou (pagou) pelo seu pecado e lhe deu justificação completa diante da justiça de Deus. E as crianças que morreram na infância e que não tiveram a possibilidade de exercer uma fé consciente, serão salvas? Para responder a esta pergunta, é preciso compreender que Deus, de alguma forma, sem se servir do exercício (normal) da fé consciente, salva sim crianças e pessoas que não têm possibilidade de exercitar a sua fé (pessoas com deficiência mental, por exemplo). Se a salvação dessas pessoas fosse somente através do exercício consciente da fé, nenhuma delas teriam a possibilidade de serem salvas. Assim cremos que as crianças que morrem antes da formação da sua consciência plena, são salvas pela graça de Deus, não por não terem cometido pecados, mas por não terem consciência deles.

Concluindo, sendo a justificação um ato judicial do pecador diante de Deus pela expiação de Cristo, pelo mesmo processo de ato judicial, podemos depreender que uma criança, embora nascida com a natureza humana inclinada ao pecado, por não ter plena consciência dos seus atos e ao mesmo tempo capacidade de se arrepender, são consideradas inimputáveis. A inimputabilidade significa, no direito, "ausência no agente de condições de autodeterminação ou entendimento do caráter delituoso do fato no momento de executá-lo". O Direito Penal brasileiro, por exemplo, exige os seguintes requisitos causais: doença mental, ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado, e embriaguez completa proveniente de caso fortuito ou força maior; cronológico, os efeitos do requisito causal devem se manifestar no momento da ação ou da omissão; consequencial, os efeitos do requisito causal, cronologicamente considerados, devem suprimir a capacidade de autodeterminação ou o entendimento do caráter criminoso do fato. Uma pessoa considerada inimputável, não pode ser condenado, embora tenha efetivamente cometido um crime (um exemplo uma criança de três anos que pega a arma do pai, e mata outra criança). Dessa forma, podemos concluir que uma criança, ao morrer antes da idade da razão (discernimento), está salva pela graça de Deus.


Imprimir   Email
Encontrou um erro de digitação? Por favor, selecione-o e pressione Ctrl + Enter.