Personagens Bíblicos

Escrito por Elton Melo
Foto: Mical, interpretada pela atriz Maria Ribeiro, na novela Rei Davi, da Rede Record. Mical significa "quem é como Deus?", era filha do rei Saul e primeira esposa de Davi. O caráter de Mical reflete o de muitas pessoas na sua relação com Deus e o próximo. Ela é muito bonita, obcecada por Davi, mas ao mesmo tempo falsa, dissimulada e manipuladora. Tem inveja da irmã Merabe e sente prazer em causar intrigas. Ajuda Davi a fugir da ira do pai e aguarda o dia em que ele virá buscá-la. Como isso não acontece, sente-se abandonada por Davi. É obrigada por Saul a se casar com Paltiel, um homem a quem despreza. Tempos depois, Davi manda tirá-la do marido para morar com ele, mas Mical se revolta porque sabe que Davi só a quer por causa de interesses políticos. Vai ser o tormento de Bate-Seba. É idólatra, adora deuses pagãos, o que provoca a fúria de Davi.

Mical era a filha mais nova do rei Saul e amava Davi. Porém, o rei tinha prometido ao guerreiro sua filha mais velha, Merabe. Mas, ao voltar da guerra contras os filisteus, Davi a encontra casada com Adriel (I Samuel 18.17-19). Quando o rei Saul soube que Mical amava Davi, usou isso a seu favor, para que ele matasse mais alguns filisteus e então se casasse com ela.Depois de algum tempo, Mical soube que seu pai mataria Davi e o ajudou a fugir.Mical é uma pessoa marcada pelas circunstâncias da vida. A Bíblia fala que ela amava Davi. O Rei Saul usou a própria filha como laço contra Davi (1Samuel 18.20-21). Entretanto o plano de Saul foi frustrado pela fidelidade de Mical a Davi. Na sequência da história, vemos que ela ajudou Davi a fugir de Saul quando este o perseguia, enganando o próprio pai (1Samuel 19.11-17).

Por que então esta mulher, que um dia compreendeu e participou do plano de Deus para preservar a vida de Davi, agiu de maneira tão severa quando agora, anos mais tarde, o Rei simplesmente adorava ao Senhor com alegria? A maioria de nós cristãos conhece a história de Davi dançando perante o Senhor (2 Samuel 6.11-23). “E sucedeu que, entrando a arca do Senhor na cidade de Davi, Mical, filha de Saul estava olhando pela janela e, vendo o rei Davi. que ia bailando e saltando diante do Senhor, o desprezou no seu coração (2 Sm 6.16). Amados, quantas vezes percebemos e nos achamos em atitudes que desagradam a Deus ? Quantas vezes temos exposto diante de Deus, aquilo que professarmos a Ele? Quantas vezes reconhecemos nossas falhas quando pecamos contra Ele? Davi era um desses homem autênticos, sincero diante de Deus, pecador como eu e você,mas que expressava sem reservas a alegria de estar com Deus, de viver com Ele. A ocasião era de festa: a Arca do Senhor estava voltando para Jerusalém. O Rei Davi estava exultante, e “dançava com todas as suas forças diante do Senhor” (v. 14), externando sua adoração a Deus sem se preocupar com o que os outros estariam pensando dele. Sua esposa, Mical, o “desprezou no seu coração” e o criticou severamente por dançar daquela maneira diante do povo (vs. 16 e 20). Mas porquê ela criticou o gesto de Davi? Porque ela não entendeu?

Poderíamos dizer que ela não compreendeu a motivação de Davi; ou que ela se preocupou mais com a imagem do Rei Davi do que com o momento espiritual da nação; ou ainda que teve ciúmes das servas. Tudo isto estaria correto... mas já lhe ocorreu que tamanha incompreensão poderia estar calçada em algo mais profundo e preexistente na vida desta mulher? No fundo, Mical está reagindo, em função de uma escolha feita quatorze anos antes, quando teve a oportunidade de fugir com Davi. Na vida, sempre temos oportunidade de escolher. É claro que Mical ajudou Davi a salvar sua vida, mas ela tinha duas opções: fugir com o marido ou continuar na cidade, no conforto do seu lar e como filha do rei Saul. Como esposa, será que Mical não deveria estar ao lado de Davi, onde ele fosse, e vivendo de qualquer maneira ao seu lado? Ou era melhor ela continuar no conforto da sua casa, como filha do rei? Este era o momento de Mical expressar o seu amor a Davi, mas ela escolheu ficar ao lado do pai. Davi e Mical ficaram muito tempo sem se ver. Ele foi muito perseguido por Saul, por diversas cidades. Em uma delas, conheceu Abigail e Ainoã, ambas foram suas esposas (I Sm 25.39-43). Se Mical tivesse ficado ao seu lado, Davi teria outras mulheres?

Há mulheres que preferem o conforto a fazer valer suas palavras de fidelidade e companheirismo ditas ao seu marido no dia do casamento. Quantas desvalorizam o homem que Deus colocou em sua vida, ao não apoiá-lo nas decisões, não estar ao seu lado em dias difíceis e não dar a devida atenção aos seus projetos. Atitudes como estas, e ainda outras não mencionadas, dão abertura para as amantes, amizades não tão convencionais.

1- Como os traumas influenciam nossa atitude.

Depois da fuga de Davi, Mical foi dada como esposa a outro homem pelo seu pai, Saul (1Samuel 25.44). Quatorze anos depois, após a morte de Saul e já como rei, Davi exigiu-a novamente como esposa (2Samuel 3.13). Por esta e outras razões, podemos saber que Mical era uma pessoa que carregava profundas feridas. Ela fora usada como “isca” pelo pai contra Davi. Viu este homem arriscar a vida para atender a um capricho de Saul que era a exigência para o casamento, o qual foi chamado de “dote” (1Samuel 18.25). Viu o homem que ela amava tendo que fugir do próprio sogro para não morrer. Foi dada pelo pai a outro homem como esposa, sendo já casada. Anos depois, quando talvez ela já estivesse “acostumada” com a situação, Davi se torna Rei e a traz de volta. A Bíblia nos conta que o seu então marido, Paltiel, veio chorando atrás dela quando ela foi tomada para ser “devolvida” para Davi (2 Samuel 3.15-16).

Quanta carga emocional! Como se não bastasse, ela não podia ter filhos, o que era considerado como uma desonra pela sociedade de então. Principalmente em se tratando da esposa de um monarca, que precisaria necessariamente de um herdeiro para ocupar o trono. Mical permitiu que seus traumas não resolvidos trouxessem cegueira espiritual. E por causa disso, ela não pôde compreender o significado do ato de adoração de Davi.Eu quero lhe fazer uma pergunta: será que você tem deixado seus traumas do passado, interferirem na sua vida atual? Será que o fantasma da traição ou de ter sido abandonado no passado, não está influindo negativamente no seu comportamento ou momento atual? Será que você não está passando dos limites? A pessoa amada ou o seu companheiro(a) não é culpado pelos seus traumas. Aprenda que o que passou, passou e o passado ficou para trás. Trate de construir seu caminho rumo ao futuro sem precisar de desenterrar defuntos ou viver como um louco ou louca ao prantos,gritos e baixarias.Se você afirma que não conseguiu esquecer as coisas que lhe machucaram no passado,o sangue de Jesus Cristo não lhe banhou ainda. Você precisa de um encontro verdadeiro com Deus. Você precisa se apropriar da sua condição de "justo", ou seja: aquele que justificado por Cristo, recebeu o novo coração!

2 - O lugar errado diante dos fatos.

Os nossos traumas emocionais mal resolvidos e não tratados trazem cegueira espiritual. E tudo isso sempre nos leva para a posição errada, um lugar diferente daquele que o Senhor nos quer. Mical expressa a vida de muitos religiosos hoje que estão na janela. Estar na janela é vislumbrar a vida de um lado, estando de outro. Diz a palavra que Mical acabou servindo de laço para Davi (I Sm 18.21). Podemos deduzir que sua vida com o Senhor era superficial e aparente, ou seja, não havia um relacionamento profundo com Deus. Também pode-se deduzir que ela vivia em torno de seus sentimentos, pois sua vida com Davi foi marcada por amor, mas também por rejeição, ressentimentos e amarguras e ressentimentos.

O povo inteiro estava em festa, e Mical estava “olhando pela janela” (v. 16). Ela somente foi ao encontro de Davi quando a celebração havia acabado, e o povo, ido embora (v. 20). E mesmo assim, foi para criticar.  Mical assumiu a posição de espectadora. Da janela, observava o povo se alegrando e adorando ao Senhor, ao invés de se juntar a eles. Estava assistindo a alegria e adoração dos outros, e não fazia questão de participar. Esta postura abriu portas pra um espírito crítico; e sendo assim, satanás entrou em ação pondo no coração de Mical o CIÚME. Um detalhe: Se você sofre deste mal, trate de se dar valor e aprenda que aquele que deixa habitar dentro do seu coração esta obra da carne chamada "ciúme"; não vai morar no céu,embora seja cristão fiel.Leia atentamente: "Ora, as obras da carne são manifestas, as quais são: a prostituição, a impureza, a lascívia, a idolatria, a feitiçaria, as inimizades, as contendas, os CIÚMES, as iras, as facções, as dissensões, os partidos, as invejas, as bebedices, as orgias, e coisas semelhantes a estas, contra as quais vos previno, como já antes vos preveni, que os que tais coisas praticam não herdarão o reino de Deus". E por trás disso, estava uma vida marcada por sofrimento, desilusão e expectativas frustradas.

O coração de Mical expressava o que muitas pessoas hoje expressam. Há muitas pessoas dentro da Igreja com a visão de Mical, que só é capaz de enxergar aquilo que convém para si. Mical não desprezou apenas Davi, mas desprezava o Senhor. Alguns religiosos fariseus de hoje são como Mical, que se preocupam mais com os outros, de que com si mesma, que se preocupam apenas com a aparência exterior. Na época do NT os fariseus não se cansavam de “enredar” Jesus por que este andava com as pessoas desprezadas da sociedade (Mt 9.11-12; Mt 11.19.Lc 5.30). Como Jesus, Davi também andara com o povo e isso trouxe “desconforto” ao olhos de Mical. Muitas vezes quando acontece algo diferente daquilo que estamos “acostumados a fazer”, nos sentimos desconfortados. Mical pensou na sua reputação,o que que os outros iam dizer, mas nunca analisou se aquilo que Davi fez agradava a Deus. O religioso nunca leva em conta a manifestação espontânea de adoração a Deus pelas pessoas, mas sempre arranja motivo para reprimi-la e criticá-la por isso. O espírito crítico de Mical não levou somente a desprezar no seu coração, Davi, mas acima de tudo ao Senhor.

Infelizmente em nossas igrejas existem pessoas como Mical que são apenas observadores de culto, “que ficam na janela”, observando os atos dos outros. São estes que sempre procuram algo para criticar, algo para comentar, esquecendo de cultuarem a Deus e adorarem a Ele com suas vidas. São pessoas que vivem de aparência exterior, mas que por dentro, no interior, estão cheios de hipocrisia e iniquidade (Mt 23.28). Aqueles que não possuem uma intimidade com Deus não conseguem enxergar a adoração daqueles que o fazem de todo coração. Quando a mulher pecadora entrou na casa de Simão, para ungir os pés de Jesus, o o religioso dono da casa questionou consigo: “Se este fora profeta, bem saberia quem e qual é a mulher que lhe tocou, pois é uma pecadora” (Lc 7.39).

Assim são aqueles com visão de Mical que a tudo questionam e a tudo criticam. Normalmente essas pessoas não enxergam seus pecados, mas o do outro. Não adoram a Deus em espírito, mas criticam aqueles que assim o fazem. Quando alguém religioso, de janela, vê a dedicação de um servo em espontânea adoração a Deus, logo se sentem enciumadas e ficam cheias de presunção. Usam todo tipo de julgamento. A expressão que mais se ouve dos religiosos da janela é: “Este gosta de se aparecer, hein !!” Existem pessoas que ao ver o cônjuge se consagrar a Deus, sentem-se traídas, amarguradas e abandonadas, pois querem total atenção para si. São pessoas que gostam de ser mimadas, de bajuladas, que gostam de ser saudadas pelas pessoas. Mical odiou Davi quando este demonstrava seu amor a Deus, mas esqueceu que sua própria vida estava nas mãos de Deus. Por viver uma vida sem a total direção de Deus, Mical acabou não tendo descendentes de Davi.

Quando a pessoa acaba vivendo a vida dos outros e esquecendo de sua própria, passa-se o tempo e não se percebe o quanto tempo se perde em analisar e perceber a vida dos outros. Quando nosso relacionamento de Deus é raso, somos como Mical, suscetível a sentir-se só e deixamos ser levados pela amargura, pelo ódio e pelo ressentimento. Também através disso, acabamos respondendo de maneira errada as circunstâncias, acabamos prejudicando a nós mesmos e deixamos de herdar as promessas de Deus. Mical não estava preocupada com seu povo, com sua nação, com Deus e a bênção que era a Arca da Aliança, mas com seu mundo, com seu reino terreno, com sua reputação. Mical vivia de idealizações com Davi, mas esqueceu que Deus era com Davi. A palavra do Senhor diz: “O coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa dos lábios vem do Senhor” (Pv 16.1).

Quando Davi abençoou o povo em nome do Senhor e foi abençoar sua casa foi repreendido por Mical. Mical teve a oportunidade de receber a bênção de Deus, mas preferiu ficar com sua convicção egoísta. Quando temos uma convicção apenas religiosa de Deus, perdemos as bênçãos que o Senhor pode nos dar. Mical não tinha visão espiritual. Toda vez que compartilhamos algo espiritual para pessoas religiosas e que não possuem um entendimento espiritual o resultado poderá ser como o de Mical com Davi. Diz a Palavra do Senhor,  que aqueles que se inclinam para a carne cogitam das coisas da carne, mas os que se inclinam para o Espírito, das coisas do Espírito.(Rm 8.5). “Ora, o homem natural não aceitam as coisas do espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.” (I Cor 2.14).

Hoje na Igreja, no Reino de Deus, existem muitos com visão de Mical, mas cabe a todo homem e mulher de Deus não observar com visão de janela, de Mical, mas enxergar o homem pelos olhos espirituais, pelos olhos de de Deus. Se Mical tivesse visão espiritual teria enxergado Davi, mais do que um guerreiro, mais do um rei, mais do que um marido que amava, teria enxergado Davi segundo o coração de Deus. Porque o SENHOR não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o SENHOR olha para o coração (I Sm 16.7).

3 - deixe de ser espectador ou apenas olhar a vida pela janela.

Talvez você já tenha visto ou conhecido pessoas que assumem a posição de “espectadores” em algumas situações, até mesmo durante momentos de adoração ao Senhor. Não as julgue. Existe algo além das aparências. Existe uma vida que carrega marcas, uma vida que precisa se libertar das astutas ciladas do diabo. Precisamos desenvolver um espírito misericordioso em relação aos outros. Devemos olhar para nossas próprias vidas. Como temos cuidado de nossos traumas emocionais? Temos dado lugar a um espírito crítico? Temos tido uma vida infrutífera? Temos sido espectadores da adoração alheia? Adore aquele que é digno de toda a Glória,Jesus Cristo;e ELE vai fazer por você, o que você não pode fazer. Adore ao Senhor Jesus Cristo,e ELE vai falar com quem você não pode falar. Adore a Deus e, deixe ele esvaziar de sua mente, os fatos negativos do seu passado!

Ainda há tempo para tratar pecados, se arrepender, pedir perdão e perdoar. Ainda há tempo para buscar a libertação espiritual para nossos traumas. Ainda há tempo para receber o bálsamo que só o Senhor pode dar. E ainda há tempo para sair da janela. A porta é logo ali. É só ir para fora, se juntar ao povo... e começar a dançar, participar ativamente. Não seja uma “Mical”, não deixe de valorizar seu amado, de estar com ele, de encorajá-lo, de torcer por cada batalha e de vibrar em cada vitória. O desprezo do coração de Mical em relação a Davi gerou nela a infertilidade, e ela morreu sem ter filhos do rei (II Samuel 6:23).

Uma mensagem às mulheres.

Mical fez parte do plano do Senhor para a vida de Davi. Ao lermos 1 Sm 19ss, vemos que o rei Saul planejava matar Davi. Ele começou a perceber que o Senhor estava com Davi e que sua filha, Mical, amava o marido. O ciúme começou a tomar conta da sua vida. Em 1 Samuel 19:11, a Bíblia nos diz: "Porém Saul mandou mensageiros à casa de Davi, que o guardassem, e o matassem pela manhã..." Mical soube do plano de seu pai e, como uma esposa que, depois do Senhor, colocava seu marido em primeiro lugar em sua vida, avisou a Davi e o ajudou num plano de fuga eficaz. A Bíblia nos diz que "Mical desceu a Davi por uma janela; e ele se foi, e fugiu, e escapou" (1Sa 19:12). Ela ficou debruçada na janela a observar aquele homem, que ela tanto amava, fugir para que a sua vida fosse salva. Ela sabia que seu pai jamais o pegaria, pois ela havia se casado com o homem: a) que matara o gigante Golias; b) que foi posto à prova a fim de poder casar com ela, tendo que matar cem filisteus e fez mais, matou duzentos; c) Davi era um homem segundo o coração de Deus. O Senhor estava com ele em todos os momentos de sua vida.

Mical havia se casado com um homem íntegro que respeitava e amava o seu pai, o rei Saul. O rei queria matá-lo, era seu inimigo, mas ele, Davi, numa certa ocasião, podendo matá-lo disse: "O Senhor me guarde de que eu faça tal coisa ao meu senhor, ao ungido do Senhor, estendendo eu a minha mão contra ele; pois é o ungido do Senhor" (1 Sm 24.6). Davi era um homem que respeitava aquele que o Senhor colocou acima dele (o rei Saul). Ele era um homem que amava o Senhor. Ele era um homem segundo o coração de Deus. Ele não temia o inimigo, pois confiava no Deus verdadeiro que estava com ele. Este era o marido de Mical, homem forte, valente e com um coração cheio de fidelidade, amor e respeito para com aquele que Deus escolhera para ser o seu rei mas que o odiava, perseguia e queria matá-lo. Mical, apesar de não ter sido a esposa ideal para Davi, colocou-o, naquele momento, em primeiro lugar em sua vida mesmo tendo que ficar contra a vontade de seu pai.

Uma mulher, segundo o coração de Deus, deve colocar as prioridades certas em sua vida. A mulher de Deus tem as seguintes prioridades: a) colocar Deus em primeiro lugar em sua vida (não os filhos, a igreja, nem seus  ministérios);  b) depois de Deus, colocar seu marido como a pessoa mais importante na sua vida (ela faz isso honrando-o, isto é, falando bem dele a nossos filhos, a nossa família, a nossos amigos... porque a Palavra de Deus me diz em Tito 3:2 "que a ninguém infamem..."; mas também procurando nele tudo o que existe de bom e não esquecendo de elogiá-lo naquilo que ela gosta (seu respeito por mim, seu modo carinhoso de tratar-me, seu amor pelo Senhor, o exemplo de integridade que ele dá aos filhos e, até mesmo elogiar seus músculos, seus olhos, seu sorriso...); c- orando por ele (por seu trabalho, por seu ministério na igreja, pelas tentações que por acaso surjam, por seu crescimento espiritual...); Mical tinha Davi como a pessoa mais importante de sua vida, pois ela o admirava e o amava.

Ela o salvou da morte, porém, quando Davi já era rei, aconteceu algo que mudou o cenário da sua vida. Os personagens eram os mesmos (Mical e Davi), a cena era a mesma (Mical junto à janela), contudo, agora, o coração dela já não era o mesmo. Antes, ela tinha um coração cheio de amor e respeito pelo marido. Agora, o seu coração o desprezava. Ela se encontrava junto à janela e observava Davi que entrava em Jerusalém com a arca da aliança, pulando e dançando. Ela não gostou do que estava vendo. Ela o achou ridículo e o desprezou. Aquele mesmo coração que, junto à janela, o amou e o salvou da morte, agora, junto à mesma janela, o estava desprezando. Vemos que, por duas vezes, Mical estava junto à janela observando aquele que ela tanto amava e admirava mas que, agora, desprezava. Provavelmente, Mical esperava que seu casamento fosse o mais feliz e o mais seguro. * Será que ela esperava que Davi viesse salvá-la das mãos de um pai irado e vingativo? * Será que a amargura tomou conta do seu coração ao ver que nada do que ela havia sonhado aconteceu? Sabemos que o rei Saul vingou-se dela e de Davi, dando-a em casamento a outro homem.

Certa vez li uma frase que mostra que atitude correta que podemos ter para enfrentar situações difíceis como esta de Mical: "Quando escolho seguir a Jesus em meio à dor e me firmo em Suas promessas, tenho esperança - mesmo quando não sei o que está por vir" (Kathy Troccoli, cantora gospel). Mical não escolheu seguir a Deus quando passava por momentos de dor. Ela não procurou se firmar nas Suas promessas, deixando assim de se encher de esperança mesmo não sabendo o que o Senhor estaria preparando para ela. Assim como Mical, muitas mulheres passam por tribulações em suas vidas. O remédio é levar estas decepções, traumas e angústias diante do altar do Senhor e confiar que Ele é o Deus que transforma: o fel em mel, a tempestade em calmaria; a tristeza em alegria; o ódio em amor;  um coração de pedra em um coração semelhante ao de Jesus.