Alentos no sofrimento e provação do ministério pastoral

John Newton (1725-1807) foi um ex-capitão do navio escravo que se tornou pastor na Inglaterra. Ele é conhecido por seu famoso hino "Amazing Grace", mas durante sua vida, ele era mais conhecido pela graça encontrada em suas letras. Newton dirigiu muitas pessoas, incluindo as que estavam fora de sua paróquia, através da escrita de cartas. São ricas e cheias de doutrina para pessoas que enfrentam todo tipo de circunstâncias. Alguns dos destinatários de suas cartas eram outros pastores e ministros. O assunto mais frequente que Newton abordou com esses pastores foi o sofrimento e as provações.

As palavras de Newton aos pastores sobre o sofrimento são incrivelmente oportunas e necessárias. Eles foram um bálsamo para minha alma durante minhas provações. Newton é maravilhosamente pastoral, hospedando as verdades da Escritura nos corações de ferir as pessoas com precisão precisa. Suas cartas mostram muitas razões pelas quais Deus permitiria que Seus servos passassem provas de fogo de muitos tipos. Vou destacar três razões aqui que me destacaram. 

1. Podemos falar de conhecimento de primeira mão.

Newton escreve: "Inúmeros são as provações, os medos, as empresas e as tentações com as quais o povo do Senhor está acostumado; alguns de um jeito e alguns em outro; o ministro deve, por assim dizer, ter um gosto de todos, ou pode acontecer que um caso possa vir antes dele para o qual ele não tinha nada a dizer." 1

As pessoas estão doendo. Muitas pessoas em nossas congregações estão experimentando terríveis tentativas e aflições. Como pastores, devemos ter nosso gosto também. Uma coisa é ouvir as lutas dos outros ou falar sobre elas em uma aplicação de uma mensagem, mas conhecê-las de primeira mão é diferente. Newton mostra que sem essas aflições, podemos encontrar situações com congregações nas quais não teríamos nada a dizer. Isso não significa que devemos - Senhor, desejando - experimentar todas as aflições possíveis, mas certamente significa que devemos experimentar o suficiente para falar como companheiros, não como aqueles que se separam dos gemidos daqueles que nós pastores. 

2. Seremos solidários com as pessoas que sofrem.

Newton nos instrui, "E nós também precisamos deles [provações] para levar nossos corações difíceis a uma disposição de sentimento e simpatia com aqueles que sofrem: caso contrário, deveríamos estar muito ocupados ou muito felizes em atender a seus gemidos." 2

O pastorado é uma profissão ocupada. Há sermões para escrever, reuniões para dirigir, ministérios para apoiar, santos para equipar e muitas outras demandas. Newton adverte que se escaparmos o forno de fogo em nossas próprias vidas, podemos desenvolver corações endurecidos que não compitam com as pessoas que sofrem. A vida ocupada do ministério pode impedir que nos aquejamos dos gemidos das feridas. Nossa própria vida indolor pode nos tornar indiferentes com aqueles com muita dor. Ao conhecer o sofrimento pessoalmente, encontramos nossos próprios corações mais simpáticos e pastorais para aqueles que se machucam. Quando estamos no forno, podemos simpatizar com os que estão lá agora, e ser movidos a ministrar as verdades do evangelho para eles.

3. Podemos demonstrar a veracidade do que pregamos.

Newton escreve para um pastor: "Você pode ser um exemplo e um padrão para o rebanho; e nesta visão, não se surpreenda se você se encontrar com algum uso difícil; em vez disso, alegrar-se de que, assim, você terá a oportunidade de exemplificar suas próprias regras, e convencer seu povo, de que o que você recomenda para você não fala de perto, mas da experiência do seu coração." 3

Nossas provações e dores como pastores nos dão a chance de provar a veracidade do que pregamos. O velho ditado "praticar o que você prega" pode ser vivido entre os olhos que observam aqueles que nós pastores. Podemos mostrar por nossas vidas, que o que pregamos semana a semana não é a opinião do homem ou filosofia de auto-ajuda superficial. Não, nós pregamos um evangelho que salva. Pregamos um Cristo que conforta os feridos, dá paz àqueles que pedem e oferece descanso para as almas cansadas que atendem seu chamado para "vir". Não pregamos a teoria. Nós pregamos o que nós mesmos achamos pela experiência é verdade. Isso sustenta fortemente a nossa pregação com uma validade que apenas as aflições podem fornecer.

Concluindo, devemos estar dispostos a falar abertamente sobre nossas dores e dores. Ser transparente e vulnerável na frente daqueles que lideramos promove uma cultura de honestidade dentro da igreja. Muitas igrejas são cobradas com a acusação de ser falso e pretensioso. Compartilhando abertamente sobre nossos julgamentos e demonstrando que Cristo é mais do que suficiente para nós naqueles tempos, combate essa acusação e ministros para o nosso povo.

Notas:

1 - Cartas de John Newton. Banner of Truth. Reimpresso 2015, p.145. / 2 - ibid p.145. / 3 - ibid, p.45.


Fonte: Este artigo foi originalmente publicado em  www.lifeway.com  em 10/11/2017, por Erik Reed. pela LifeWay Pastors.


Imprimir   Email
Encontrou um erro de digitação? Por favor, selecione-o e pressione Ctrl + Enter.