2 razões pelas quais ignoramos nossas fraquezas em vez de resolvê-las

O conselho comum para a liderança é se concentrar em seus pontos fortes, e isso é sábio, com uma ressalva importante. Suas fraquezas devem ser abordadas e levadas a uma norma aceitável ou elas ofuscarão seus pontos fortes. Sim, concentre-se em seus pontos fortes, mas suas fraquezas não podem ser tão esmagadoras a ponto de debilitar sua credibilidade de liderança. Em seu livro, The Leadership Code (Código de Liderança), Dave Ulrich desafia os líderes a serem, pelo menos, médios nas principais disciplinas de liderança ou sua fraqueza os esmagará. No entanto, muitos líderes escolhem ignorar completamente suas fraquezas pelas seguintes duas razões:

 

1. Achamos que nossos pontos fortes são mais fortes do que são.

Uma das principais razões pelas quais os líderes ignoram suas fraquezas é que eles superestimam seus pontos fortes. Superestimar seus pontos fortes é freqüentemente sinônimo de subestimar suas fraquezas. Um líder que superestima suas próprias forças pode insensatamente ignorar suas fraquezas. O líder pode desconsiderar a necessidade de lidar com certas deficiências de liderança, porque o líder assume, “mas eu sou muito forte nessa área”. Ter uma visão mais elevada de si do que uma sempre deve levar a uma tomada de decisão tola.

2. Nós odiamos admitir que somos fracos.

Para resolver nossas fraquezas, devemos primeiro admitir que as temos, e odiamos admitir que somos fracos. O orgulho impede os líderes de admitirem suas fraquezas e de se dirigirem a eles. O orgulho sempre dificulta nossa eficácia e nosso aprendizado. Mas os líderes sábios admitem suas fraquezas, confiam nos outros e buscam crescer e amadurecer.

De todos os líderes, os líderes cristãos devem ser os primeiros a admitir e enfrentar suas fraquezas. Nossa fé não é para os fortes, mas para os fracos. E nós somos todos fracos. Nós nos tornamos cristãos reconhecendo nossa fraqueza, nossa incapacidade de nos qualificarmos para estar diante de Deus e confiando em Deus para Sua misericórdia e graça. Continuamos na fé, dependendo humildemente da força de Deus, não nos colocando em nós mesmos. Vivemos como cristãos andando em comunidade com outros que nos sustentam, que nos encorajam e se recusam a viver independentemente dos outros.

A cruz já nos mostrou que somos fracos. Portanto, podemos admitir livremente nossas fraquezas e procurar crescer.


Este artigo apareceu originalmente em www.lifeway.com e é usado com permissão.


Imprimir   Email
Encontrou um erro de digitação? Por favor, selecione-o e pressione Ctrl + Enter.