Lista de Mensagens - alcancevitoria | 2016

Hoje vamos ler um texto, muito conhecido de todos nós, mas que nem sempre compreendemos a exatidão e profundidade deste mandato: Abra a sua Bíblia em Mateus 28.16-20. Queridos, tentei, e bem que tentei, não tocar no assunto mais quente da semana, mas não aguentei. Não posso deixar passar esta oportunidade única, rara. Quero nesta noite lhes falar sobre o personagem que dominou o noticiário nesta semana. Na quarta feira (19/10/2016) a Polícia Federal prendeu o ...
Duração:1 hr 15 mins 44 secs

Hoje vamos ler um texto, muito conhecido de todos nós, mas que nem sempre compreendemos a exatidão e profundidade deste mandato: Abra a sua Bíblia em Mateus 28.16-20, onde podemos ler:

Os onze discípulos foram para a Galiléia, para o monte que Jesus lhes indicara. Quando o viram o adoraram; mas alguns duvidaram. Então, Jesus aproximou-se deles e disse: "Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra. Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos". (NVI)

Na versão RC (revista e corrigida) o texto diz, no versículo 19 e 20, portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em Nome do Pai,  e do filho e do Espírito Santo; ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém!

Queridos, tentei, e bem que tentei, não tocar no assunto mais quente da semana, mas não aguentei. Não posso deixar passar esta oportunidade única, rara. Quero nesta noite lhes falar sobre o personagem que dominou o noticiário nesta semana. Na quarta feira (19/10/2016) a Polícia Federal prendeu o ex-presidente da Câmara dos Deputados (não preciso dizer o nome, você sabe sobre quem estou falando). Mas o foco da mensagem não é sobre a pessoa do ex-presidente da Câmara. Não estou aqui no papel de acusador da pessoa, muitos menos de juiz dos crimes a ele atribuidos. Cabe à Justiça brasileira agir neste particular e, cá entre nós, temos visto que a Equipe da Lava Jato no Ministério Publico do Paraná, a PolíciaFederal e em especial o meritíssimo juiz, doutor Sérgio Moro tem feito suas obrigações com atitudes louváveis.

Tenho recebido palavras do Senhor que me mostram que a Igreja brasileira perdeu a sua voz profética no meio dos escândalos e da passividade e conforto que ela vive, muito mais voltadas para os seus interesse que pelos interesses do Reino de Deus. É interessante que há uns dez dias, recebemos aqui o missionário Gregório Mcnutt, e Deus usou a vida dele para reforçar isso que o Senhor já tinha me falado. Neste episódio todo da Lava Jato, do impeachment da presidente e dos escândalos que tem vindo à luz, não há protagonismo de pastores, grandes homens de Deus ou líderes da Igreja Brasileira. No entanto o Senhor levantou pessoas da sociedade, com sentimentos profundos da ética e da moralidade de Deus (embora alguns afastados dos caminhos do Senhor), para denunciar o pecado da nação. Faço uma pergunta para sua reflexão: onde estava a voz profética da Igreja? O que nós como Igreja que se diz a Igreja do Senhor temos feito nestes anos neste país que não tem feito a menor diferença? O que estamos reproduzindo, ensinando às pessoas, à nossa nação? Os conceitos, os ensinamentos de Jesus, ou nossa forma de ver o mundo, conformada pelas nossas expectativas?

1 – O QUE É SER DISCÍPULO DE CRISTO

Nos textos desta noite, os versículos 19 e 20, indicam claramente que somos todos chamados para discipular e isso significa pelo menos duas coisas importantes: obedecer e ensinar outros a obedecerem a Jesus. A grande pergunta é, como alguém que não obedece aos ensinamentos de Jesus terá condições de ensinar a outros? Você não pode ser um fazedor de discípulo se primeiro não se dispor a ser discípulo de Jesus.

Eu recebi muitos post nesta semana e um deles me chamou a atenção: O que de fato aconteceria se o ex-presidente da Câmara tivesse sido discipulado?  Todos sabemos que o nosso personagem central da semana é evangélico (quando ele tinha dinheiro para distribuir para algumas igrejas, havia um séquito de pastores atrás dele – a membresia dele numa igreja era bem disputada). Mas agora ninguém sabe de nada. É assim mesmo, filho feio não tem pai. Mas de quem é a culpa? Porque isso aconteceu e continua acontecendo? Nosso consolo é que pelo menos ele vai passar um tempo sob os cuidados da nossa irmã Mari que é assistente social do Departamento Penitenciário do Paraná e cuida dos presos da lava-lato. Tenho certeza que Deus usará a vida desta serva do Senhor através do seu testemunho para impactar a vida dele.

Mas, veja que nesta produção em massa de religiosos evangélicos e católicos, que tem acontecido neste país (hoje já com mais de 50 milhões de evangélicos), não tem trazido mudança completa na vida da grande maioria deles. Antes de você prejulgar o cidadão, coloque-se no lugar dele. Se você estivesse lá, no lugar dele faria diferente, ou reproduziria os mesmo valores?

Ser evangélico não transformou a vida dele, nem o impediu de ser corrompido e corromper conforme relata a imprensa. Ser evangélico não gerou transformação de vida, para que ele pudesse ser uma referência de Cristo no mundo político. Mas, e se ele tivesse sido realmente discipulado? Se ao invés de ser apenas um crente comum, tivesse sido ensinado a guardar (obedecer) todas as coisas que Jesus nos ensina através da Sua Palavra?

Lembre-se que as três marcas distintivas de um discípulo é ser alguém fiel, ensinável e disponivel – vamos pregar mais sobre estas três marcas ao longo do mês de novembro.

Bem, o SE, é apenas uma hipótese, mas com certeza, um discípulo de Jesus deve:

1-      Confrontar o erro e estar disposto a morrer pela missão que Deus nos dá. Assim como Jesus, ele não se deixaria levar pelas moedas de ouro e prata (coisas materiais), antes ele tomaria a inciativa de corrigir e consertar o seu erro.

2-     Se o nosso personagem central realmente tivesse sido discipulado, ele permitiria que o seu “eu” morresse para que Cristo vivesse nele e dominasse todas as áreas da sua vida. Em todos os cargos que exerceu, a principal pergunta teria sido: “O que que Cristo faria em meu lugar? “, e não “O que eu faço para conseguir mais poder? “, como a imprensa demonstra. Se ele tivesse sido discípulo de Jesus e não apenas evangélico religioso, ele teria aprendido a obedecer aos mandamentos de Jesus e isto faria com que obedecesse às leis do país.

3-     Outra coisa que o nosso personagem teria aprendido e colocado em prática, seria a submissão total a Cristo, e isto faria com que toda a arrogância, opulência e altivez mencionada por seus colegas fossem substituídas pelo espírito simples, mansidão e humildade.

4-     Se o nosso personagem fosse um discípulo de Cristo, teria aprendido a amar aos outros como Cristo nos amou, e não usar os outros como é praxe no mundo político.

5-     Além disto ele também teria aprendido a orar e se comunicar direto com Deus a todo momento da sua vida, e não apenas manter uma comunicação com as pessoas mais poderosas do mundo político.

Podemos concluir, pelos fatos, que o fato do nosso personagem ser evangélico, tornou-o muito mais um religioso do que verdadeiramente um discípulo de Cristo.

2 – A IGREJA NO BANCO DOS RÉUS

Na verdade, o nosso personagem, embora réu, é vítima do sistema religioso que construímos, este sistema que se preocupa em formar membros de igreja cheios de regras religiosas, torná-los líderes na igreja e empurrá-los para a sociedade sem uma missão (apenas para ocupar um cargo). Tornam-se líderes sem saber o que liderar, não têm amadurecimento espiritual para resistir às benesses do poder. No fundo, o problema é ainda maior: pessoas que não tiveram o caráter lapidado.

O nosso personagem é cria de um sistema religioso que informa, mas não transforma, ensina, mas não lapida o caráter, mostra as regras, mas não inculca os valores do Reino . Eu e você também somos cria deste sistema,   embora alguns já tenham compreendido o que realmente é ser um discípulo de Cristo. Mas não é o que se vê na maioria dos ditos Gospels deste tempo. Eu ouvi uma frase uma vez pelo pastor que Graça que não transforma, se torna uma desgraça. E aqui não basta o querer e a vontade, a ordem do Senhor Jesus. Não! É preciso que tenhamos disposição para por em prática exatamente como Jesus nos ordenou: IR, FAZER, do jeito certo.

A igreja brasileira (evangélica e católica) está cheia de gente igual ao nosso personagem: pessoas que valorizam o poder, impositoras da sua vontade, negociam a fé, apegadas ao dinheiro, manipuladoras para si mesmos, não se importando nem com as pessoas muitos menos com a sociedade. Não se importam que morram milhões nas portas dos hospitais públicos, que milhares de crianças vivam em péssimas condições de vida, que milhões de estudantes matem o seu futuro num sistema educacional arcaico e ultrapassado que apenas passa o tempo, que milhões de pessoas neste país estão vivendo debaixo dos viadutos, nos valões, aprisionados pelo álcool e as drogas. Vale tudo, até roubar da aposentadoria dos velhinhos e a merenda das crianças. Não importa, isso é apenas estatística!

Na sua época, Jesus denunciou os religiosos que sabiam citar e brigar por regras, mas os seus corações eram vazios e endurecidos para as verdades da Palavra de Deus. Infelizmente não somos muito diferentes dos daquela época. Não, o nosso personagem não é inocente, mas nós também não somos. Certa vez um pastor africano disse que “os crentes brasileiros pensam que o problema do Brasil está em Brasília e apenas se reflnte na Igreja”. NÃO, afirma ele: “o problema do Brasil está na Igreja e se reflete em Brasília”.

A Igreja dita cristã (seja católica, seja evangélica), de modo geral, está cheia de membros, fiéis, seguidores de pastores e apóstolos, bispos, padres, mas vazias de verdadeiros discípulos de Jesus. Se Deus passar o prumo e a régua, como cita em Amós 7.7-8, o que sobra de verdade? Você está no prumo (relação correta com Deus) ou no nível (relação correta com o próximo)? Prumo e régua (ou nível), fala destas duas dimensões as quais não podemos nos manter errados.

A Igreja é muito hábil em manter eventos e mais eventos, um atrás do outro. Entretenimento para todo lado: padre e pastor palhaço; humorista gospel, cantores pentecostais da vingança, pregadores de auto ajuda, profetas do engano da falsa prosperidade e engameladores de esperança de um povo sofrido.

3 – MAS DEUS TEM UMA PALAVRA PARA A IGREJA BRASILEIRA

É hora de rasgarmos as vestes religiosas, como o Senhor diz em Joel 2.12-17 (“12 Todavia ainda agora diz o Senhor: Convertei-vos a mim de todo o vosso coração; e isso com jejuns, e com choro, e com pranto. 13 E rasgai o vosso coração, e não as vossas vestes; e convertei-vos ao Senhor vosso Deus; porque ele é misericordioso e compassivo, tardio em irar-se e grande em benignidade, e se arrepende do mal. 14 Quem sabe se não se voltará e se arrependerá, e deixará após si uma bênção, em oferta de cereais e libação para o Senhor vosso Deus? 15 Tocai a trombeta em Sião, santificai um jejum, convocai uma assembleia solene; 16 congregai o povo, santificai a congregação, ajuntai os anciãos, congregai os meninos, e as crianças de peito; saia o noivo da sua recamara, e a noiva do seu tálamo. 17 Chorem os sacerdotes, ministros do Senhor, entre o alpendre e o altar, e digam: Poupa a teu povo, ó Senhor, e não entregues a tua herança ao opróbrio, para que as nações façam escárnio dele. Por que diriam entre os povos: Onde está o seu Deus?” (Joel 2,12-17),

É tempo de pedir perdão ao povo brasileiro. Em mais de 500 anos de “cristianismo” católico e evangélico, falhamos em produzir verdadeiros discípulos. Por isso este país é do jeito que é. Não é culpa dos políticos. É culpa da Igreja! No texto de Joel 2.12-17, o Senhor chama a sua igreja, o seu povo a um despertamento (tocai a buzina). Sim é hora de sair do comodismo, da conformidade, da mesmice. Podemos destacar algumas atitudes que Deus espera de nós o seu povo neste tempo: 

  1. Arrependimento (vs.12) - Jejum, choro e pranto – isso nos fala  de consagração pessoal, fala de experimentarmos um processo completo de arrependimento que leva a uma mudança de atitude.
  2. Por dentro (vs 13) - É muito fácil  fazer alguma coisa para os outros verem, para sermos notados, para que nos valorizem; mas a operação é no coração, nosso centro de vontade e poder – o problema de fora, está apenas repetindo o problema de dentro.
  3. Ser um cristão ativo(vs. 15, 16) – se só buscamos ao Senhor para receber, se nossa atitude aqui na igreja é de uma completa passividade, somos igual a um consumidor: só recebemos e não damos, não influenciamos. Deus está te convocando para ser um agente ativo aqui dentro da Igreja, para que a Igreja seja operante no mundo;
  4. Intercessão (vs 17) – no Antigo Testamento essa incumbência era apenas para os sacerdotes, mas no Novo Testamento é para todo o cristão (1Pe 2.9), razão pela qual você deve se colocar nesta brecha. O alpendre é a frente da Igreja, as colunas de sustentação da Igreja do Senhor somos nós o seu povo.

Saia do seu comodismo religioso, seja operante na casa de Deus e na sociedade. Comece agora a discipular as nossas crianças, sirva ao Senhor nos ministérios que a Igreja dispõe, crie ministérios para servir ao próximo, viva verdadeiramente os princípios da Palavra. Tenho certeza o nosso país pode mudar. Gostei da frase que ouvi esta semana: “não há corrupção, interesses e jogos de poder que resistam a um verdadeiro discípulo de Cristo”.

Vou terminar com uma frase de Zé Ramalho cantada por Geraldo Vandré que repeti durante muitos anos quando era líder estudantil: “Quem sabe faz a hora, não espera acontecer! ” levante-se na força do Senhor e seja um discípulo de Cristo! Hoje é tempo de Louvar a Deus! https://www.youtube.com/watch?v=lxW1Rzd_GWw

 

Leave um(a) reply

Powered by: truthengaged