Lista de Mensagens Ministradas

Ministração da palavra pelo pastor Elton Melo, por ocasião do 91º aniversário da Igreja Batista Betel de Porto Alegre, RS em 18 de junho de 2016, com o Tema: quem pode permanecer diante de Deus, com base no texto de 1º Samuel 6.19-7.1
Duração:1 hr 7 mins 11 secs

Quem pode permanecer na presença do Senhor -  Texto base:  1Samuel 6.19;7.1 - IB Betel, Porto Alegre – 18/06/2016

 

Texto Bíblico:  19 Deus, contudo, feriu alguns dos homens de Bete-Semes, matando setenta deles, por terem olhado para dentro da arca do Senhor. O povo chorou por causa da grande matança que o Senhor fizera,

 

20 e os homens de Bete-Semes perguntaram: "Quem pode permanecer na presença do Senhor, esse Deus santo? Para quem enviamos a arca, para que se afaste de nós?

 

21 Então enviaram mensageiros ao povo de Quiriate-Jearim, dizendo: "Os filisteus devolveram a arca do Senhor. Venham e a levem para vocês".

 

1 Então, os homens de Quiriate-Jearim vieram para levar a arca do Senhor. Eles a levaram para a casa de Abinadabe, na colina, e consagraram seu filho Eleazar para guardar a arca do Senhor.

 

INTRODUÇÃO: Este texto que acabamos de ler, é o desfecho de uma loucura que a Igreja brasileira, nestes dias tem cometido. Nós estamos nos preparando, com muito carinho, a campanha de 40 dias de jejum que vem ai, dos dias 4 de julho a 12 de agosto de 2016, cujo tema central é AVIVAMENTO VERDADEIRO. Buscando ao Senhor o que compartilhar com os amados nestes dias por ocasião dos 91 anos desta Igreja, o Senhor colocou este tema no meu coração. Esta Igreja, todas as nossas Igrejas batistas Independentes em todo o Brasil, e todas as Igrejas evangélicas do nosso País, precisam do AVIVAMENTO VERDADEIRO.

 

Nos últimos anos temos assistido o crescimento de diversas formas de igreja. O culto ao Senhor tem se tornado um evento, as pregações e a vida cristã, uma coisa tão comum e banal; a igreja tem imitado o mundo e relegamos o Senhor ao papel de mágico da lâmpada para satisfazer os nossos próprios interesses.

 

Mas o Senhor está soprando sobre os quatro cantos do Brasil, ventos de avivamento verdadeiro, para a sua igreja. Há um renovo chegando, glórias ao Senhor, a terra seca será regada, podemos sentir o cheiro das águas sobre a terra sedenta. Assim esteve o povo do Senhor, naqueles dias. Perderam a presença do Senhor; tornaram-se meros religiosos. Podemos aprender com eles, com os erros e falhas daquele povo. Porque a presença do Senhor se foi?

 

 

 

 

  1. A perda da presença de Deus (Há três causas)
  2. Primeiro, sacerdócio desvirtuado -
  3. Na época do sacerdote Eli os seus dois filhos Hofni e Finéias, que eram também sacerdotes, estavam em pecado. Apesar de eles serem responsáveis em levar o povo a cultuar a Deus e interceder por ele, estes dois sacerdotes estavam agindo na contra mão das suas funções.
  4. Além de menosprezarem o sacrifício a Deus oferecido pelo povo, eles também se deitavam com as mulheres que serviam à porta da tenda da congregação (1Sm 2.12-17, 22-26).
  5. Israel foi derrotado porque o sacerdócio desvirtuou-se e o povo passou a viver em desobediência aos mandamentos de Deus.
  6. Segundo, perda de autoridade da Palavra de Deus – Quando Samuel contou a Eli o que Deus revelara, a reação de Eli foi de receber a Palavra como um aviso qualquer: ele apenas disse: “É o Senhor… e completou… faça o que bem parecer aos Seus olhos”. 1 Samuel 3:7, 18.
  7. No entanto, Eli não manifestou os frutos do verdadeiro arrependimento. Confessou sua falta, mas deixou de renunciar ao pecado.
  8. Ano após ano o Senhor retardava os Seus ameaçados juízos. Muito se poderia ter feito naqueles anos para remir as faltas do passado;
  9. O sacerdote não adotou medidas eficazes para corrigir os males que estavam a poluir o santuário do Senhor, e levando em Israel milhares à ruína.
  10. A paciência de Deus deu lugar a que Hofni e Finéias endurecessem o coração, e se tornassem ainda mais audazes na transgressão.
  11. As mensagens de advertência e reprovação à casa de Eli foi conhecido em toda a nação.
  12. Por este meio ele esperava até certo ponto contrariar a má influência de sua passada negligência.
  13. Mas as advertências foram desatendidas pelo povo, assim como haviam sido pelos sacerdotes.
  14. O povo das nações circunvizinhas também, o qual não ignorava as iniqüidades abertamente praticadas em Israel, tornou-se ainda mais audaz em sua idolatria e crime.
  15. Terceiro: trataram Deus como um objeto - Nos dias de Samuel, (1Sm 4) houve uma batalha contra os filisteus e Israel é derrotado. Na primeira batalha os filisteus mataram 4 mil homens (1Sm 4.2).
  16. Os israelitas tiveram a brilhante ideia de levar para o campo de batalha a Arca do Senhor, pois para eles, aquela batalha havia sido perdida porque o Senhor não estava com eles através da Arca. Observe o texto: “Mandou, pois, o povo trazer de Siló a arca do SENHOR dos Exércitos, entronizado entre os querubins; os dois filhos de Eli, Hofni e Finéias, estavam ali com a arca da Aliança de Deus” (1Sm 4.4).
  17. Para o povo a Arca da Aliança representava somente um patuá, um amuleto, pois eles não entendiam que a manifestação da glória do Senhor no meio do seu povo vinha de uma vida consagrada e o Senhor não tem compromisso com quem não tem compromisso com Ele.
  18. No entanto, o povo era o reflexo do que era o ofício sacerdotal naquela época.
  19. Sacerdotes de si mesmos e não do Deus Altíssimo. Sacerdotes segundo a vontade do povo e não segundo os princípios estabelecidos por Deus em sua Palavra.
  20. Não eram diferentes dos líderes que temos visto nos dias de hoje. Como disse Judas, irmão de Jesus em sua epístola a respeito dos líderes que estavam se levantando em sua época: “Ai deles! Porque prosseguiram pelo caminho de Caim, e, movidos de ganância, se precipitaram no erro de Balaão, e pereceram na revolta de Corá. Estes homens são como rochas submersas, em vossas festas de fraternidade, banqueteando-se juntos sem qualquer recato, pastores que a si mesmos se apascentam; nuvens sem água impelidas pelos ventos; árvores em plena estação dos frutos, destes desprovidas, duplamente mortas, desarraigadas; ondas bravias do mar, que espumam as suas próprias sujidades; estrelas errantes, para as quais tem sido guardada a negridão das trevas, para sempre” (Jd 11-13).
  21. E este mesmo espírito está até hoje em nosso meio, agindo na vida e no ministério de muitos líderes por aí.
  22. Os israelitas levaram a arca do concerto para a batalha, julgando que isso lhes garantiria a vitória Ao invés disso, deveriam ter se arrependido e tirado os seus caminhos pecaminosos, para terem a bênção de Deus.
  23. Deus não precisa de métodos, mas de homens obedientes.
  • Resultado: Icabode: por causa do pecado dos sacerdotes, a nação sofreu, a família padeceu. Esta história nos convida a admitir que nem sempre a nossa infelicidade vem por causa dos outros. Muito do nosso sofrimento vem do nosso pecado. Paramos de ter comunhão com Deus, porque nos afastamos de Deus.
  1. O pecado é uma escolha. A volta para Deus também é uma escolha.
  2. A autoridade de Deus havia sido posta de lado e Seu culto negligenciado e desprezado; e tornou-se necessário ele mesmo intervir para que se mantivesse a honra de Seu nome.

 

  1. Os Filisteus e Seu Deus Nas Mãos de Deus (5:1-12)
    1. Os filisteus tomaram a arca de Deus e a levaram de Ebenézer a Asdode.
    2. Colocaram a arca de Deus e na casa de Dagom.
    3. Primeiro caiu a cabeça, no dia seguinte todo o corpo e suas mãos cortadas;
    4. Além disso a mão do Senhor castigou duramente os de Asdode, e os assolou, e os feriu de tumores, tanto em Asdode como no seu território.
    5. Vendo os homens de Asdode que assim era, disseram: Não fique conosco a arca do Deus de Israel; pois a sua mão é dura sobre nós e sobre Dagom, nosso deus. Pelo que enviaram mensageiros, e congregaram a si todos os príncipes dos filisteus, e disseram: Que faremos da arca do Deus de Israel?
    6. Do ponto de vista meramente humano, parece que Deus seja refém dos filisteus. Mas o Deus de Israel não é um ídolo; Ele não precisa de homens para carregá-Lo. É Ele quem carrega Israel: leiamos todos Isaias 40.18-26
    7. Com quem comparareis a Deus? Ou que coisa semelhante confrontareis com ele? O artífice funde a imagem, e o ourives a cobre de ouro e cadeias de prata forja para ela. O sacerdote idólatra escolhe madeira que não se corrompe e busca um artífice perito para assentar uma imagem esculpida que não oscile. Acaso, não sabeis? Porventura, não ouvis? Não vos tem sido anunciado desde o princípio? Ou não atentastes para os fundamentos da terra? Ele é o que está assentado sobre a redondeza da terra, cujos moradores são como gafanhotos; é ele quem estende os céus como cortina e os desenrola como tenda para neles habitar; é ele quem reduz a nada os príncipes e torna em nulidade os juízes da terra. Mal foram plantados e semeados, mal se arraigou na terra o seu tronco, já se secam, quando um sopro passa por eles, e uma tempestade os leva como palha. A quem, pois, me comparareis para que eu lhe seja igual? — diz o Santo. Levantai ao alto os olhos e vede. Quem criou estas coisas? Aquele que faz sair o seu exército de estrelas, todas bem contadas, as quais ele chama pelo nome; por ser ele grande em força e forte em poder, nem uma só vem a faltar. (Isaías 40:18-26).
    8. Podemos ainda ler Isaias 46.1-5;
    9. A Arca de Deus pode estar nas mãos dos filisteus, mas o deus dos filisteus está nas mãos do único e verdadeiro Deus, o Deus de Israel.
    10. Será que um verdadeiro Deus tem que ser erguido do solo? Será que um verdadeiro Deus se quebra? Será que um verdadeiro Deus tem que ser colado novamente?
    11. Se estes sacerdotes pagãos pensarem direito, vão ver que a imagem de Dagom pertence ao ferro-velho ou ao depósito de lixo da cidade.
    12. Que tipo de deus tem que ser erguido e levado para o conserto porque está quebrado?
    13. Mesmo assim, estes sacerdotes não se humilham e confessam que o Deus de Israel é o único e verdadeiro Deus. Por isso Deus apertou ainda mais.
    14. Na casa de Dagom, Deus mostra aos filisteus que seu ídolo não tem nenhum poder em Suas mãos. Agora Deus começa a agir nos próprios filisteus.
    15. Houve uma grande praga naquelas terra, atingindo todo o povo filisteu – deve ter sido uma peste bubônica;
    16. Seja qual for a praga, os filisteus a detestam e estão ansiosos por se livrarem dela.
    17. Seus líderes sabem que a praga nos habitantes de Asdode é devido à presença da Arca de Deus em seu meio. Eles sabem que é a mão de Deus pesando sobre eles. Deus os está julgando, e a seu deus, Dagom.
    18. Assim, eles concluem que a única maneira de se livrarem da praga é se livrando da Arca. Eles chegam a um consenso político: mandar a Arca para Gate, a próxima grande cidade dos filisteus.
    19. A conseqüência implícita é a cessação da praga em Asdode. O texto é claro em dizer que o envio da Arca para Gate é seguido pela erupção da praga na cidade e seus arredores. A praga segue a Arca.
    20. O que eles não fazem é rejeitar sua idolatria pagã e seu deus impotente. Nem confiar no Deus de Israel e O adorar. Eles simplesmente querem Deus fora de sua cidade.
    21. Isto nos lembra a reação do povo que vivia na cidade dos Gerasenos, descrita em Marcos 5.

 

  1. a arca é devolvida
    1. Sete meses esteve a arca do SENHOR na terra dos filisteus. Estes chamaram os sacerdotes e os adivinhadores e lhes disseram: Que faremos da arca do SENHOR?
    2. Quando enviardes a arca do Deus de Israel, não a envieis vazia, porém enviá-la-eis a seu Deus com uma oferta pela culpa;
    3. Eles tinham o coração endurecido – provavelmente pelos custos financeiros;
    4. Fizeram um carro de boi novo; Separaram duas vacas dos seus bezerros
    5. Fizeram um teste: se as vacas fossem na direção de Israel…se subir pelo caminho rumo do seu território a Bete-Semes, foi ele que nos fez este grande mal; e, se não, saberemos que não foi a sua mão que nos feriu; foi casual o que nos sucedeu.
    6. Chegando em Bete Semes, alguns homens curiosos se intrometeram a ver o que tinha dentro da arca e morreram (1Sm 6.19).
    7. Mais uma vez vemos a religiosidade em ação, menosprezando a presença de Deus;
    8. Mais uma vez passaram a arca pra frente… chamara pessoas de Quiriate Jearim.
    9. E por 20 anos, guardaram a arca na casa de um homem chamado Abinadabe e nada mais aconteceu.
    10. A presença da arca na casa de Abinadabe não trouxe benefício algum. Porque será? Acomodação, costume, desvalorização da presença de Deus, negligência ao que é Santo, falta de compromisso?
    11. Com o passar do tempo Abinadabe e seus filhos se acostumaram com a presença de Deus, e quando isso aconteceu, passam a não deram mais o devido valor aquilo que é valioso. Mas quando a Arca foi para a casa de Obede-Edom a Bíblia diz que o Senhor abençoou tudo o que ele tinha. O porquê dessa diferenciação? Certamente porque as atitudes de um de outro foram diferentes.
    12. Abinadabe via a Arca como um utensílio, um objeto como outro qualquer.
    13. Da mesma forma que muitas pessoas estão abrindo suas portas para a presença de Deus, e sua sede por Ele tem produzido mudanças generalizadas, porém estão enveredando pelo caminho de Abinadabe, não passando o temor divino aos seus filhos, e permitindo que morram não somente de forma espiritual, mas literal (Pv 22.6).
    14. A presença da arca do Senhor não trouxe mudança alguma naquela casa.
    15. Hoje há pastores e crentes que não acreditam mais no que a Bíblia diz. Aliás tá dando vergonha de ser pastor.
    16. Muitos pais deixaram de ensinar que a presença de Deus é a maior riqueza que uma pessoa pode ter.
    17. Aqueles que tem o conhecimento de Deus, mas não valorizam a presença de deus, correm o risco de tropeçar em Nacom (“lugar onde não se pode tropeçar”) tem muita gente tropeçando na “na palavra de Deus”.
    18. As igrejas estão cheias de morte espiritual, só barulho, gritaria, e nada de arrependimento, pois entram gritam e pulam, e saem para fazer as mesmas coisas que faziam.
    19. Precisamos experimentar a alegria da presença de Deus. A presença de Deus, na casa de Obede-Edom, onde ficou por apenas 3 meses, foi abençoadora pois naquela casa havia honra, alegria, reverência, valorização da presença de Deus, compromisso, sede de Deus

 

 

CONCLUSÃO – Por causa do pecado deles, a nação sofreu, a família padeceu. . Muito do nosso sofrimento vem do nosso próprio pecado. Paramos de ter comunhão com Deus, porque nos afastamos de Deus. O pecado é uma escolha. A volta para Deus também é uma escolha. O povo sabia o que não podia fazer, mas fez. O povo sabia que o podia fazer, e não fez.

 

Conhecemos os mandamentos de Deus. Nenhum de nós pode alegar que não os conhece. O nosso problema não tem a ver com o verbo conhecer, mas com o verbo obedecer. Conhecer a Deus e não reverenciar as coisas sagradas pode ser tão perigoso quanto ignorar sua presença.

 

Deus não precisa de defensores, de zeladores de Sua Obra, Ele mesmo é quem se defende e zela por Sua Obra por toda a face da terra. As nossas vindas à casa de Deus, não podem se tornar um fardo pesado para nós. Não podemos perder a visão da obra de Deus e de suas necessidades e muitas vezes deixamos de honrar o Senhor com nossos dízimos e as nossas ofertas... A arca do Senhor está longe, como está longe o nosso coração. O que fazer?

Pedir, clamar urgentemente, por uma poderosa visitação da parte de Deus, por um avivamento espiritual, por uma renovação de vida, por uma transformação que venha dos céus e traga sentido em nossa vida e que nos faça cada vez mais aliados de Deus e cooperadores dos seus sonhos, dos seus projetos. Que possamos enxergar com os olhos de Deus, e possamos ter a mesma mente de Deus.

 

Por mais que nos tenhamos afastado de Deus, a falta de comunhão não é definitiva. A arca pode voltar para Siló a qualquer momento. A arca pode voltar para o seu coração a qualquer momento. Vá buscar a arca. Você pode voltar a vibrar de novo.

 

Cantemos todos juntos:  (Música EBENEZER, de Luiz Cláudio)

 

Até aqui, Até aqui nos ajudou o Senhor(2x)
Ebenezer(3x)
Até aqui nos ajudou o Senhor!

Era um dia feliz sem igual
A arca sagrada, voltavam ao local
Junto do povo escolhido de Deus
Os mensageiros do Pai celestial

Este é o tempo de se humilhar
E ao Pai bondoso clamar
Misericórdia perdão haverá
Pra quem em Deus confiar

Ate aqui...

Este é o dia de preparação
Para o encontro
Com Deus de abraão
Vencer o orgulho limpar todo mal
Somente nele há poder sem igual
Este é o tempo de se humilhar
E ao Pai bondoso clamar
Misericórdia perdão haverá
Pra quem em Deus confiar

Ate aqui...

Leave um(a) reply

Powered by: Preachitsuite