Lista de Mensagens Ministradas

Dom, Out 02, 2016

As bênçãos de congregarmos

Frases desprovidas de contexto servem de pretexto para muitas coisas. Há alguns meses tenho visto replicadas nas redes sociais, um post com uma imagem e a seguinte frase: "Estão confundido ser cristão com ir a Igreja". O que será que o autor da frase quer nos dizer? O que será que cada pessoa que usa esta frase em suas redes sociais quer nos dizer? Esta frase é correta? O que esta frase nos leva a pensar? Ela está de acordo com a Palavra de Deus?
Duração:1 hr 18 mins 27 secs

Cada vez que vejo este post no Facebook, algo me incomoda. Frases desprovidas de contexto servem de pretexto para muitas coisas. Há alguns meses tenho visto replicadas na internet várias imagens como esta:

O que será que o autor da frase quer nos dizer? O que será que cada pessoa que usa esta frase em suas redes sociais quer nos dizer? Esta frase é correta? O que esta frase nos leva a pensar? Ela está de acordo com a Palavra de Deus?

Essa inquietação é complicada, pois nestes dias de “politicamente correto” se a gente responde, acaba desagradando alguma pessoa que reproduz um post como esse em suas redes sociais e gera um debate que fica parecendo pessoa contra pessoa. Por tudo isso, depois de ver e rever muitas redes sociais com este post, creio que precisamos de uma palavra, na direção do Espírito Santo, para corrigir este desvio. Tentei saber quem é o autor desta frase. Alguém o conhece? Sabem onde mora, qual igreja é membro ou frequenta?

Muitos colocaram este post em suas redes sociais sem sequer perguntar ao Senhor se esta frase é uma verdade ou um sofisma (argumento ou raciocínio concebido com o objetivo de produzir a ilusão da verdade, que, embora simule um acordo com as regras da lógica, apresenta, na realidade, uma estrutura interna inconsistente, incorreta e deliberadamente enganosa, em outras palavras, uma mentira disfarçada de verdade). Dessa forma, equiparam a palavra de um homem à verdade absoluta da Palavra de Deus. É bom compreendermos que a verdade de Deus sempre prevalecerá. Então, o que a Bíblia, nossa regra máxima de fé e prática (e não as redes sociais nem a conveniência do politicamente correto), nos diz sobre isso?

Abra sua Bíblia em Hebreus 10.25 e leiamos com atenção: “Não deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costume de alguns, mas encorajemo-nos uns aos outros, ainda mais quando vocês veem que se aproxima o Dia.” – Hebreus 10.25 – NVI.

A versão Revista e Atualizada traz a expressão “não deixando a nossa congregação”, enquanto que a versão católica expressa “não abandonemos a nossa assembleia”. A versão NTLH (linguagem de hoje), expressa: “Não deixemos de reunir-nos como igreja”. A versão O Livro, traz a expressão “Não descuidemos a nossa participação na comunidade dos crentes” no seu versículo 21.

Vê-se claramente que os termos igreja, congregação, igreja, assembleia e comunidade, referem-se ao local de culto e ajuntamento para o culto coletivo ao Senhor. Isto posto, significa que todo os cristãos verdadeiros tem o dever de participar, de estarem juntos no seu local de culto ao Senhor (e aqui não importa o credo de fé), pois há um valor para a igreja, comunidade do povo de Deus estar reunida, isto é, estar em comunhão uns com os outros – comunhão aqui significa ter tudo em comum, concordância acerca da prática e propósito. Ao mesmo tempo, precisamos compreender que Igreja não é a construção ou os mobiliários: Igreja são as pessoas!

O fato é que sozinhos não podemos ter uma vida espiritual saudável. Faz parte da vida cristã o culto ao Senhor e esse cultuar nunca, em nenhum lugar da Bíblia é visto de forma solitária, senão conjunta (salvo raras exceções). Quando Abraão construía altares ao Senhor, aquele local de culto, desprovido de paredes e teto, ainda assim era na forma coletiva, pois pelo menos sua família e os que o acompanhavam na jornada cultuavam ao Senhor, celebrando-o pela vida e o adorando como o Deus criador.

1. PORQUE É IMPORTANTE NOS REUNIRMOS?
Muitas pessoas consideram que a participação (presença e ação) no culto é algo secundário e até mesmo desnecessário para a vida cristã moderna. No entanto os primeiros cristãos não viviam desta forma. Eles entendiam a importância de estarem reunidos, pois sabiam que quando se reuniam um grande poder espiritual era liberado (Atos 2.46 e 5.42). Jesus, por exemplo, participava semanalmente junto com outros irmãos na sinagoga (local de cultos e estudos da Palavra), conforme lemos em Lucas 4.16-21. O fato é que se queremos vivenciar mais de Deus, precisamos caminhar (ter comunhão, estar junto), com pessoas que tem vida com Deus, pois a comunhão com estes nos ajudam a focar a presença de Deus em nossa vida.

Na frase “Estão confundindo ser Cristão com ir à Igreja”, o autor quer dizer que para ser cristão não é necessário ir a Igreja (local de culto). Isso seria o mesmo que dizer que para ser um maçom a pessoa não precisasse participar das atividades da loja maçônica; que para ser um militar um soldado não precisasse ir ao quartel, que para ser um pagodeiro, a pessoa não precisa ir ao pagode; que para ser um forrozeiro, a pessoa não precisa ir ao forró, etc. No entanto, há sim uma verdade na frase acima. Nem todo aquele que vai à Igreja é um cristão; mas todo cristão de verdade vai à sua Igreja, seu local de cultos.

Cristão que não tem prazer em ir à sua igreja, com certeza está com algum problema em sua vida espiritual. Influências da mídia e de amigos, que nos levam a faltar ao culto hoje, deixar de vir amanhã, fazem-nos acostumar a participar da casa de Deus a partir das nossas próprias decisões ou só quando estamos desesperados. Com o passar do tempo, não percebemos o quanto estamos nos distanciando da comunhão dos santos, vulneráveis ao poder do pecado.

2. RAZÕES QUE IMPEDEM DE NOS REUNIRMOS
Os desigrejados têm crescido a uma velocidade assustadora e há algumas razões para isso. As estatísticas da SEPAL – Serviço de Evangelização para a América Latina apontam que num domingo comum de cultos na Igreja Evangélica Brasileira, metade da membresia não está presente. Esse “fenômeno”, impulsionado por um estilo de vida agitado, onde as grandes metrópoles funcionam 24x7 (24 horas, sete dias por semana), contribui para que uma parte dos cristãos não se reúna normalmente, pois estão trabalhando no horário do culto.

Muitos estão enfraquecidos fisicamente e impedidos de se locomoverem e, por esta razão, não podem mesmo estarem juntos na Igreja. Carecem de atenção da Igreja (membresia e liderança) para que não permaneçam isolados e ainda que não possam estar presentes fisicamente recebam atenção, cuidado pastoral e a Ceia do Senhor no culto específico, no seu lar.

Há ainda outro grupo que defende que o mais importante é a sua relação pessoal com Deus, independente da sua relação com o próximo e, por essa razão, não importa muito se vão à sua igreja (espaço de culto), ou em outra qualquer; são as pessoas que fazem o que querem, quando querem e como querem, afinal elas mesmas é que são o centro de tudo. Essas pessoas tem dificuldade para negar o seu eu. Suas próprias vontades importam mais que a vontade de Cristo. Jesus diz aos seus discípulos em Mateus 16.24: “Se alguém quiser seguir-me, negue-se a si mesmo”. Suas decisões levam em conta a sua própria vontade ou a vontade de Cristo?

Mas, há, por outro lado, um grande grupo de cristãos desiludidos com a vida cristã: achavam que era um “mar de rosas” e quando enfrentam crises pessoais e de relacionamento na Igreja, acabam se isolando.
Além de todas estas situações, há ainda aqueles que alegam muitos outros motivos para não congregarem, tais como a “falta de tempo, preguiça, dificuldade de relacionamento, vergonha de estar em público, presunção, mundanismo, cansaço, Deus não falou comigo sobre isso, não senti de Deus, etc...” são desculpas e mais desculpas, esfarrapadas, que revelam que no fundo o problema na vida espiritual destas pessoas é maior que o motivo apresentado. Uma das piores atitudes que podemos ter contra o Senhor Deus é colocá-lo em segundo plano em nossas vidas, dando-lhe as nossas sobras ou lhe impondo a nossa vontade.

3. O QUE VOCÊ PERDE QUANDO NÃO CONGREGA?
Deus (Pai, Filho e Espírito Santo), se manifesta em vários lugares e pode estar com uma pessoa onde quer que ela esteja. No Salmo 139, o salmista declara que é impossível fugir da presença do Senhor pois ele está em todos os lugares (céu, sepultura, profundo mar, trevas) e, cremos de fato que o Senhor sempre está conosco conforme a sua promessa “estarei contigo todos os dias, até a consumação dos séculos” (Mateus 28.20). No entanto, há manifestações de Deus que só estarão disponíveis para nós ao nos reunirmos com outros (comunhão).
Da mesma forma que o Senhor deseja que recebamos sua presença e unção, quando deixamos de estar em sua vontade, e no lugar determinado para nós, deixamos de receber aquilo que havia de ser derramado naquele momento. Vejamos os prejuízos que você tem (o que você perde) quando deixa de congregar:

  1. Purificação - A Bíblia diz em 1 João 1.7 que “se andamos na luz, como Ele (Cristo) na luz está, temos comunhão uns com os outros e o sangue de Jesus, seu filho, nos purifica de todo o pecado” Como é possível ter comunhão isolado? O simples fato de estarmos juntos, reunidos para cultuar e adorar ao Senhor, traz purificação na nossa mente e espírito de todo o pecado que tenta nos prender, dominar. Imagine um cristão, vendedor, que visita diariamente todo tipo de gente, e acaba sendo obrigado a ouvir piadas indecentes, sugestões malignas e até mesmo provocações quanto à sua fé; por certo, de segunda a sábado, embora este cristão seja sério e temente ao Senhor, foi impregnado pela imundície deste mundo o qual tem que conviver para poder vender os seus produtos. Ou a irmã ou irmão que frequenta academia e é sugestionado o tempo todo pelas provocações sexuais; ou a empregada que é obrigada a ouvir todo tipo de comentário dos seus patrões; o estudante que ouve todo tipo de baixaria e palavrões indecentes dos seus colegas na sala de aula. Para estes cristãos, o simples fato de estar no culto normal de sua comunidade, o purifica de toda imundície que ouviu e viu durante a semana. Não é apenas no dia da Ceia do Senhor, mas sempre que o povo de Deus está reunido. Que benefício tremendo, não é verdade? Mas quando a pessoa deixa de congregar, perde este maravilhoso benefício: a purificação da sua mente e espírito.
  2. Intimidade com Deus – Deus vai se tornando uma pessoa distante da nossa realidade diária, vamos deixando de conhecê-lo como ele é, de receber sua orientação diária, e isso refletirá na nossa falta de perspectiva sobre os problemas da vida. Pergunte a uma pessoa que tem deixado de vir à igreja como estão as coisas e não se surpreenda quando ela lhe disser que tá tudo indo mal, que está desanimada, sem rumo e direção, completamente perdida;
  3. Bênçãos espirituais – nós somos seres espirituais e não apenas um amontoado de pele e ossos. Por mais que o ser humano tenha se desenvolvido, há problemas que a pessoa enfrenta que nem o pensamento positivo, a programação neurolinguística (PNL) ou os cursos de motivação resolvem. O ser humano é corpo, alma e espírito e as coisas espirituais precedem isto é vem antes, são mais importantes, que as coisas naturais. O nosso bem estar mental e físico dependem da alimentação espiritual que recebemos do Senhor.
  4. Sentimento de realização – há muitas pessoas que não gostam de ser cobradas sobre sua participação nos cultos, pois sabem que deveriam estar reunidos com os demais e não contribuíram para isso. Estão, na verdade atrasando a obra de Deus, atrasando o retorno de Cristo. A falta de participação leva a pessoa a desenvolver o sentimento de culpa. E todo sentimento de culpa leva a pessoa a se esconder, fingir que não vê, a viver se esgueirando das outras pessoas, para não ter que justificar sua falta. O problema é que o sentimento de culpa não resolve o problema da falha, só a amplia. O pecado de omissão é tão sério quanto o pecado de ação.
  5. Fervor espiritual – A fé vem pelo ouvir e o ouvir da palavra de Cristo (Romanos 10.17). Uma pessoa que não ouve a Palavra ser ministrada, não cresce na sua fé. Você pode me dizer que escuta pregação em sua casa; acredito, mas, será que sua concentração é a mesma que quando a Palavra é pregada no púlpito. O propósito maior da pregação é fazer com que sua vida seja transformada pela confrontação da vontade de Deus frente à sua vontade; Por isso, a pregação da palavra, até pode ser parecida com um discurso, aula retórica ou motivacional, mas ela vai muito além disso, pois a mensagem bíblica não foca os planos do homem, e sim os propósitos de Deus, porque estes vão prevalecer. Em Efésios 4.11-13, o apóstolo Paulo enfatiza que o ministério (serviço) na igreja deve focar a preparação, edificação, unidade da fé, maturidade e plenitude de Cristo para os membros do corpo (a sua Igreja). Portanto se você deixa de congregar, perde a oportunidade de crescer espiritualmente.

4. QUAIS SÃO AS BÊNÇÃOS PROMETIDAS AOS QUE CONGREGAM?
Ao nos reunirmos, há uma medida maior da presença de Deus, por isso, devemos sempre buscá-lo com outros irmãos e não apenas individualmente: Há bênçãos para nós quando nos reunimos como corpo de Cristo, como por exemplo: a graça coletiva, a proteção espiritual e a liberação de poder (unção).

  1. Graça coletiva - Jesus nos ensinou que podemos orar em secreto em nosso quarto, mas existe uma oração que, para ser feita, devemos estar reunidos no nome dele e em concordância. “Se dois de vós na terra concordarem acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus. Pois onde se acham dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles” - Mateus 18.18-19. Quando isso acontece, o Pai libera do céu a sua bênção. Quando deixamos de nos reunir muitas das nossas orações ficarão sem respostas.
  2. Proteção Espiritual - Deixar de se reunir é uma atitude arrogante; quem assim faz, está dizendo que não necessita de ninguém, que em si mesmo ela é autossuficiente e isso é soberba; quando Deus encontra uma pessoa soberba, ele a resiste. Tiago 4.6 diz: “Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes”. Humilde aqui não é quem é pobre ou não tem nada, mas aquele que reconhece que precisa do outro. Por isso tem muita gente com vida espiritual seca e insensível. O plano de satanás é fazer com que você deixe aos poucos a comunhão com os irmãos, pois assim você fica mais vulnerável e torna-se um alvo fácil das suas tentações.
  3. Liberação de poder (unção) – Individualmente, você pode ler sua Bíblia, ouvir CD´s, DVD´s com mensagens, pregações pelo YouTube, receber revelações particulares para a sua vida, mas sempre numa situação específica e em pouca quantidade. As revelações mais profundas e o entendimento de conceitos e mover de Deus para este tempo para a sua Igreja, o seu povo, só nos serão liberados na reunião da congregação. Todas as vezes que estivermos reunidos, nosso Deus tem algo a nos comunicar e quando entendemos sua mensagem, o impacto na nossa vida é transformador. Não basta receber a palavra certa, mas quando esta palavra certa é ministrada no ambiente espiritual do culto coletivo, produz um impacto muito maior. A cada culto, há uma unção (poder) sendo liberada pelo Senhor para todos os que estão presentes naquele culto.

CONCLUSÃO: Há uma palavra para resumir tudo o que escrevi: sinergia. Os criadores de cavalo dizem que um cavalo sozinho pode, ao puxar uma carroça, mover quatro vezes o seu próprio peso, mas quando se junta um cavalo a outro, eles podem puxar dez vezes os seus próprios pesos. Da mesma forma, quando estamos congregados, em unidade espiritual, passamos a ter uma força muito maior que a soma das nossas individualidades. Somos chamados para fazer parte de um exército e não de um clube de serviço! Assim diz a Palavra em Deuteronômio 32.30; “um pode perseguir mil, mas dois juntos dez mil”. Glórias ao Senhor!

Finalizando a minha inquietação quanto à frase do post na rede social, posso afirmar que realmente nem todos os que frequentam uma igreja são cristãos de fato, ainda que alguns tenham sido batizados e estejam arrolados numa lista de membresia da Igreja. Para estes está reservada a resposta de Jesus “Apartai-vos de mim...” (Mateus 7.23). Mas ser cristão é sim frequentar assiduamente as reuniões da Igreja, comunidade, assembleia, congregação onde o Senhor espera que sejamos instruídos, amadurecidos e operantes na sua obra, implantando o Seu Reino na terra. A estes, a resposta de Jesus será: “vinde benditos de meu Pai a possuir a herança...” (Mateus 25.34). Participe ativamente das reuniões e atividades da sua congregação e receba tudo o que o Senhor tem para aqueles que o amam. Deus tem prazer em ver seus filhos reunidos. Assim disse o Senhor!


Slide da ministração:

Leave um(a) reply

Powered by: Preachitsuite