Manual da Longevidade de um treinador

Quantos treinadores o seu time teve nos últimos seis anos? Para o torcedor do Londrina, essa conta é fácil: apenas um. Enquanto o Flamengo teve 12 técnicos no período, o Corinthians cinco (com duas passagens de Tite), e o Palmeiras oito, o time paranaense tem o mesmo comandante desde 21 de abril de 2011: Claudio Tencati, o mais longevo no cargo entre os clubes das quatro divisões do Campeonato Brasileiro.

Qual será o segredo para continuar tanto tempo em um cargo onde a “dança das cadeiras” é tão comum? Por isso, o próprio Tencati montou um “manual da longevidade”, listando o que os técnicos precisam para realizar um bom trabalho e continuar no cargo. Para Tencati, são cinco pontos necessários: vencer, ter fé, clareza, resistência e flexibilidade. "Esses cinco princípios são, para mim, fundamentais não só para a longevidade, mas para um trabalho que você assume, para um projeto. Eles são de extrema importância" – disse, em entrevista ao GloboEsporte. Confira, abaixo, “O Manual da Longevidade”, segundo o técnico do Londrina, Claudio Tencati:

 

1- Vencer: O capítulo um do manual é direto: tem que vencer. Quando chegou ao Tubarão, Tencati encontrou o time na segunda divisão do Paranaense e fora das quatro divisões nacionais. Logo no primeiro ano conseguiu o acesso à primeira divisão. Para o treinador, isso deu credibilidade para seguir no cargo.

Foi assim também que Tencati escapou de ser demitido em 2014, quando o Londrina chegou à última rodada da primeira fase do Paranaense, contra o Coritiba, entre a zona de classificação e a de rebaixamento. O Tubarão venceu por 2 a 0, classificou para as quartas de final e acabou como campeão estadual. O resultado deixou o técnico quase intocável no clube e abriu caminho também para os acessos nas séries D e C do Campeonato Brasileiro.

2- Fé: – É preciso ter fé naquilo que você está fazendo, no seu trabalho, a convicção. É fundamental para acreditar no trabalho, nos atletas, naquilo que está acontecendo, sem perder a confiança e entrar em descrédito. Ter fé é um segundo princípio – destaca o treinador.

Além de acreditar no próprio trabalho, Tencati destaca que é preciso ganhar a confiança da diretoria do clube onde trabalha. Após ser campeão da Divisão de Acesso, em 2011, o Londrina não foi bem no Paranaense, no ano seguinte. Apesar da desconfiança criada pelo resultado, o gestor do clube, Sergio Malucelli, decidiu mantê-lo no cargo. O resultado veio nos anos seguintes.

3- Clareza: Ser claro nas metas que devem ser cumpridas e no que espera dos jogadores em campo. Para isso, é preciso saber conversar com os atletas, desde os mais rodados até os que estão começando a carreira.

– Cada atleta reage de uma maneira, tem o entendimento de uma maneira. O treinador tem que ser claro com o atleta. Se não for claro, vai ter essa dúvida, não vai ter o entendimento – comentou.

4- ResistênciaPara o treinador, é usar a teimosia como uma virtude. Tencati destaca que o técnico precisa ter convicção naquilo que é trabalhado no dia a dia, sem mudar de ideia pela reclamação da torcida ou da imprensa.

– Tem horas que você precisa ter uma pitada de teimosia. É isso que vai levar uma equipe a ser vencedora. Isso já aconteceu comigo muitas vezes – destacou.

5- FlexibilidadeA teimosia do treinador, porém, precisa ter um limite. Tencati aponta que isso vale para a parte tática, para os pedidos dos jogadores, para as decisões dos atletas em campo, e também na hora de ouvir os membros da comissão técnica e da diretoria. Pelo manual do técnico do Londrina, o treinador tem que ter firmeza no que acredita, mas não pode ser intransigente.

TENCATI EM NÚMEROS

Claudio Tencati tem 44 anos e nasceu em Indianópolis, no Paraná. Ele jogou apenas em categorias de base, não continuou a carreira e decidiu estudar Educação Física. Assumiu o Londrina no dia 21 de abril de 2011, após a chegada da empresa de gestão esportiva SM Sports ao clube. Antes, passou por Cianorte (foi auxiliar de Caio Júnior, vítima no acidente aéreo com a Chapecoense), Paranavaí e Iraty, onde trabalhou com Sergio Malucelli.

Em seis anos, Tencati comandou o Londrina em 228 jogos, com 112 vitórias, 62 empates e 54 derrotas – aproveitamento de 58,19% dos pontos disputados. Ele ficou fora de apenas três partidas: duas por suspensão (contra o Santos, pela Copa do Brasil, em 2015, e contra o Brasil de Pelotas, pela Série B) e uma por opção, quando enviou um time misto para enfrentar o Parauapebas, pela Copa do Brasil deste ano. Nas três oportunidades, ele foi substituído pelo auxiliar técnico Aléssio Antunes, que está ao seu lado desde 2011.

– Cheguei aqui um Claudio Tencati jovem, desconhecido, que tinha trabalhado em clubes pequenos do interior. Tive um desafio em um clube de massa, que viveu momentos épicos no passado e conseguimos resgatar. Fico contente de fazer parte desse momento do clube, espero viver mais emoções ainda – comentou Tencati.

Para assistir os vídeos completos desta entrevista, acesse o link da matéria, conforme indicado abaixo.


 Fonte: http://globoesporte.globo.com/pr/futebol/times/londrina/noticia/em-seu-sexto-ano-no-londrina-tencati-apresenta-o-manual-da-longevidade.ghtml


Imprimir   Email
Encontrou um erro de digitação? Por favor, selecione-o e pressione Ctrl + Enter.