Leituras Sugeridas

Escrito por Elton Melo

Editora: Adhonep / ano: 1982 / descrição: Livro amarelado com as duas primeiras e duas ultimas páginas com marcas de fita adesiva, capa com uma marca de caneta de quadro branco no canto superior. Em boas condições de conservação e leitura. " É uma obra curiosa, por vezes desconcertante, mas empolgante. Narra uma longa série de fatos relacionados com cristãos armênos que se refugiaram nos Estados Unidos." Leia o prefácio deste livro:

Prefácio - Foi em 1960, num dia cinzento de dezembro, que acomodamos nosso carro no penúltimo parque de estacionamento em frente ao Hotel President, em Atlantic City.Segundos depois um cadilac com matrícula da Califórnia estacionou no espaço livre ao nosso lado, e dele saiu um homem robusto, com chapéu de aba larga. Estendeu a mão enorme e calejada:
- Sou Demos Shakarian – disse.Contornou seu carro e abriu a porta a uma bela senhora de cabelos negros:

- Esta é Rose, minha mulher.
 
Explicamos-lhe que éramos jornalistas da revista ‘’Guideposts’’, encarregados de investigar o fenômeno de falar em línguas, esclarecendo que estávamos ali ‘’apenas para observar’’.
E vimos bastante! Naquela semana o Hotel President foi o palco da Convenção Regional de uma organização chamada ‘’Associação Internacional de Homens de Negócio do Evangelho Pleno’’, da qual Demos era o fundador e presidente. Milhares de pessoas vindas de toda a costa oriental, tinham chegado a Atlantic City – uns para conhecer o agricultor moreno de chapéu de aba larga; outros para compartilhar com os amigos aquilo que o Espírito Santo estava fazendo; e ainda outros, como nós, apenas para ver ainda que meio receosos e céticos.
 
Prevíamos o emocionalismo, e dissemos um ao outro:
- Os gritos, o levantar dos braços, os testemunhos frenéticos, tudo isso são técnicas já gastas, sempre usadas para excitar uma grande multidão até o auge do entusiasmo.
Mas observamos, e nada disso aconteceu. Na frente do salão social do Hotel, Demos dirigiu as reuniões com a sensibilidade calma de quem está escutando uma voz que os outros não ouvem. Ao invés do caos que esperávamos, um júbilo controlado dirigia a Convenção. Tendo nos armado contra assaltos que não vieram, não conseguimos defender-nos contra o amor que na realidade encontramos, e naquela semana juntamente com centenas de pessoas, começamos a nossa própria caminhada no Espírito.
 
Nos quinze anos que se seguiram a esse dezembro, acompanhamos o Movimento pentecostal em muitas partes do mundo, porque descobrimos que aí se encontram as boas histórias – a fé vibrante, as vidas transformadas, a realidade na Igreja atual. E foi assim que principiamos a notar algo bastante interessante. Onde quer que falássemos com pessoas cuja fé estivesse viva – homens e mulheres, crianças e velhos, católicos romanos e maronitas -, vez após vez, a história tinha início com esse grupo extraordinário de homens de negócio e um criador de gado de Downey, Califórnia, chamado Demos Shakarian.
Muitas vezes nos interrogamos como era possível que este homem tímido, de sorriso gentil, um homem que parecia nunca estar com pressa, nem saber hoje onde estará amanhã, pudesse exercer tamanha influência sobre milhões de pessoas. Resolvemos entrevistá-lo para descobrir.
 
Foi mais fácil decidir o que fazer. Demos tanto pode estar em Bóston como em Bangcoc ou Berlim; ele não responde à sua correspondência. Contudo, durante quatro anos conseguimos ver-nos algumas vezes. Demos e Rose vieram visitar-nos; mais tarde nos encontramos enquanto visitávamos uns amigos, na Suíça. Trabalhamos em Mônaco e em Palm Springs. Conversamos em carros, aeroportos e restaurantes armênios. Melhor que tudo foi o tempo passado com eles em Downey, na pequena casa que construíram em 1934, quando seu primeiro filho nasceu. A casa do pai de Demos está ao lado, e está vazia desde a sua morte. É muito maior e tem mais espaço, mas Demos e Rose....Bem, há tantas recordações na casa pequena!
E então gradualmente principiamos a compreender o segredo de Demos. Sua família trouxe da Armênia parte desse segredo. Esta velha nação cristã é a que mais tem sofrido em razão da sua fé. E é do sofrimento que emergem as convicções profundas. Tal discernimento é maior que qualquer raça ou nação. É um segredo que cada um de nós precisa descobrir, pois quando o conhecemos, como diz Demos, ‘’não importa qual a condição do mundo à nossa volta: nós somos o povo mais feliz da Terra’’.
------------------John e Elizabeth Sherril -- Novembro de 1975
O Povo mais Feliz da terra – Demos Shakarian – Adhonep