Eclesiologia - alcancevitoria | 2016

Escrito por Elton Melo

Devem os cristãos celebrar o Natal? Há muitas argumentações que pretendem convencer os cristãos a não celebrar o Natal alegando ser uma festa pagã. Basta uma breve pesquisa na Internet e “chovem” textos condenando a data do Natal, os símbolos natalinos, e fazendo acusações àqueles que decidiram celebrar esta festa. Um bom número de seitas e novas igrejas que professam seguir a Cristo insistem que o Natal é uma festa pagã o qual todos os verdadeiros cristãos devem afastar-se.


Provavelmente a mais notável destas religiões são as Testemunhas de Jeová, que publicam ferroados ataques sobre a celebração do Natal ano após ano. No entanto, estes grupos não estão sós na sua condenação destes feriados religiosos mais populares.

Muitos cristãos evangélicos também acreditam que o Natal é uma celebração pagã, vestindo “roupas cristãs”.  Enquanto muitos cristãos marcam o Natal como um dia especial para adorar a Cristo e dar graças pela Sua entrada no mundo, eles rejeitam qualquer coisa que tenha a ver com Papai Noel, árvores de Natal, troca de presentes e tal.

Existem bases bíblicas para rejeitar tudo ou parte do Natal?  Qual deve ser a atitude dos cristãos neste assunto?  A Bíblia está repleta de conteúdo que encoraja a alegre celebração do nascimento de Jesus. Textos contidos nos livros de Isaías e Miquéias, por exemplo, anunciam em tom de alegre expectativa e esperança a promessa do messias de todos os povos. Nos evangelhos não faltam expressões de alegria e festa, como o anúncio do nascimento do menino Jesus, pelos anjos e o louvor que surge nas expressões dos pastores quando o encontram. Os magos se dispõem a encontrar o menino prometido, viajando longa distância para entregarem ofertas cheias de significado. Simeão, outro personagem bíblico, se alegra em tomar o pequeno Jesus em seus braços, como cumprimento das promessas de Deus.

A resposta dada aqui é de que, enquanto certos elementos da tradição Natalina são essencialmente pagão, eles devem ser rejeitados (especialmente as bebidas e imoralidades, na qual o mundo se acham dona naquele período do ano), o Natal em si e muitas das tradições associadas com ele, pode ser celebrado pelos cristãos que têm uma consciência clara.  Aqueles que se inclinam a rejeitar fora de mão, tal posição, podem estar interessados em saber que, durante um tempo este escritor teria concordado com eles.  Um exame minucioso destes assuntos incluídos, no entanto, conduz a uma conclusão diferente.

{mospagebreak}Celebrando o aniversário de Jesus  -   O argumento básico e comum apresentado contra o Natal, é de que não se encontra na Bíblia.  Muitos cristãos, e também grupos como as Testemunhas de Jeová, sentem de que ao não estar mencionado nas Escrituras, não é para ser comemorado.  De fato, as Testemunhas argumentam que desde que as únicas pessoas na Bíblia que celebravam o seu aniversário foram Faraó (Gn 40:20-22) e Herodes (Mt 14:6-10), Sendo assim, eles sentem, que Deus não aprovaria a celebração do aniversário de Jesus.

Em resposta a estes argumentos, algumas coisas precisam ser ditas. Primeiro, o fato é que a Bíblia nada diz contra a prática de celebração de aniversários.  O que foi mau nos casos de Faraó e Herodes, não era o fato de celebrarem seus aniversários, mas, sim as práticas más nos seus aniversários (Faraó matou o chefe dos padeiros, e Herodes matou João Batista).  Segundo, o que a Bíblia não proíbe, seja explicitamente ou por implicação de alguns princípios morais, é permitido ao cristão, enquanto for para edificação (Rm 13:10;  14:1-23;  I Co 6:12; 10; 23; Col 2:20-23; etc.).  Portanto, desde que a Bíblia não proíbe aniversários, e eles não violarem princípios bíblicos, não há base bíblica para rejeitar aniversários.  Pelo mesmo motivo, não há razões bíblicas para rejeitar completamente a idéia de celebrar o aniversário de Jesus.

{mospagebreak}25 de Dezembro - Outra objeção comum ao Natal está relacionado com a celebração no dia  de 25 de dezembro como sendo o aniversário de Cristo.  Freqüentemente argumentam que Cristo não podia ter nascido no dia 25 de dezembro (geralmente porque os pastores não teriam seus rebanhos nos campos de noite naquele mês), portanto, no dia 25 de dezembro, não podia ter sido seu aniversário.  Como se isso não bastasse  é também apontado de que 25 de dezembro era a data de um festival no Império Romano no quarto século, quando o Natal era largamente celebrado nesse dia, celebrando o nascimento do sol invicto.

É verdade que parece não haver evidência como sendo o aniversário de Cristo nessa data. Embora sem existir uma definição sobre a data de celebração do nascimento de Jesus, muitos cristãos já o celebravam a partir do segundo século depois de Cristo. Alguns o faziam em Março, outros em Dezembro e ainda outros em Setembro. Dependendo do critério de cálculo adotado a data poderia cair em qualquer um destes meses.  Não era a data que importava, mas a celebração do nascimento de Jesus.

Este fato invalida o Natal?  Realmente, não.  Não é essencial para a celebração de aniversário de alguém, que seja comemorado na mesma data do seu nascimento.  Os americanos comemoram os aniversários de Washington e Lincoln na terceira Segunda-feira de Fevereiro todos os anos, ainda que o aniversário de Lincoln era no dia 14 de Fevereiro e o de Washington, 22 de Fevereiro.  Se tivesse certeza de que Cristo realmente nasceu digamos, em 30 de abril, deveríamos então celebrar o Natal naquele dia?  Enquanto que não haveria nada de errado com tal mudança, não seria necessário.  O propósito é o que importa, não a atual data.

Mas, e com respeito ao fato de ser 25 de dezembro a data de um festival pagão?  Isto não prova que o Natal é pagão?  Não, não o prova.  Em vez, prova que o Natal foi estabelecido como um rival da celebração do festival pagão.  Isto é, o que os cristãos fizeram era como dizer, “Antes do que celebrar em imoralidade o nascimento de Ucithra, um falso deus que nunca nasceu realmente, e que não pode lhe salvar, celebremos com alegre justiça o nascimento de Jesus, o verdadeiro Deus encarnado que é o Salvador do mundo.”

A fixação da data de 25 de dezembro é decorrente da reação dos cristãos às ações do imperador romano Lucio Domício Aureliano. A 25 de dezembro de 274 d.C., este imperador que governou Roma entre 270 e 275 D.C, inaugurou, com grandes festividades, os jogos circenses e o Templo de Midas, deus protetor do império e cultuado pelos romanos como Sol Invicto. Divindade de origem persa, Midas foi adotado pelos gregos e depois pelos romanos, pois os navegadores e os militares adoravam-no como o gênio dos elementos naturais. Os cristãos da época reagiram fortemente a esta atitude do imperador, e decidiram se contrapor àquela festa, proclamando que o único que verdadeiramente é a luz que ilumina o mundo é Jesus. Ao invés de se submeter à devoção religiosa que Aureliano inventara, os cristão fizeram da data um “substituto cultural”, cujo motivo de celebração era Jesus, e não o imperador e seu deus pagão. Não foi por acaso que a perseguição aos cristãos no império romano tornou-se mais intensa a partir deste momento.

Algumas vezes, se argumenta que ao tornar um festival pagão tentando “cristianizá-lo” é insensatez.  No entanto, Deus fez exatamente isso no Antigo Testamento.  A evidência histórica nos mostra conclusivamente, que algumas festas dadas a Israel por Deus através de Moisés eram originalmente pagãs, os festivais agriculturais, os quais eram cheios de práticas e  imagens idólatras. O que Deus fez, com efeito, era estabelecer festividades os quais tomariam o lugar dos festivais pagãos, sem adotar nada da idolatria e imoralidade associado com ela.

Assim, 25 de dezembro tornou-se oficialmente a data de celebração do nascimento de Jesus, mesmo que não se saiba exatamente o dia em que ele nasceu. O cristianismo mostrou-se vencedor sobre o paganismo, de tal forma que, ainda que muitos façam mal uso dessa data, o seu conteúdo é verdadeiramente cristão. Por isso é bom lembrar que a alegria do Natal não deve ser representada pela quantidade de comida, bebida, presentes, decorações e outros gastos excessivos que refletem o apelo comercial desta época, mas por uma atitude que reconheça o amor de Deus e nos faça capaz de expressá-lo ao nosso próximo!

{mospagebreak}Santa Claus (Papai Noel) - Provavelmente a coisa que mais incomoda aos cristãos sobre o Natal mais do que qualquer coisa, é a tradição do Papai Noel.  As objeções para esta tradição incluem o seguinte: [1] Papai Noel é uma figura mística incluído com atributos divinos, incluindo onisciência e onipotência;  [2] quando as crianças aprendem que Papai Noel não é real, eles perdem a fé nas palavras dos seus pais e em seres sobrenaturais;  [3] Papai Noel distrai a atenção de Cristo;  [4] a história de Papai Noel ensina as crianças a serem materialistas.  Em face de tais objeções convincentes, pode-se dizer algo sobre Papai Noel.

Antes de examinar cada uma destas objeções, deve se notar que, o Natal pode ser celebrado sem o Papai Noel.  Retire Papai Noel do Natal e o Natal permanece intacto.  Retire Cristo do Natal, no entanto, e tudo que sobra é uma festa pagã.  Sejam quais forem nossas diferenças individuais de como tratar o assunto de Papai Noel com as nossas crianças, como Cristãos nós podemos concordar com este tanto.

Não existe dúvida alguma de que Papai Noel na sua presente forma, é um mito, ou conto de fada.  No entanto, houve realmente um Papai Noel: o nome “Santa Claus” é uma forma anglosaxona do Holandês, Sinter Klaas,  que por sua vez significava “São Nicolau”. Nicolau foi um bispo cristão, no quarto centenário, sobre quem pouco se sabe. Ele participou do Concílio de Nicéia em 325 D.C., e uma forte tradição sugere que ele demonstrava uma singular bondade para com as crianças.  Enquanto que o velho vestido de vermelho puxando um trenó conduzido por veado voador é um mito, a história de um velho amante de crianças que lhes trouxe presentes, provavelmente não é  - e em muitos países, é só isso que “Santa Claus” é. Deve-se admitir que contar às crianças que Papai Noel pode vê-los em todo tempo, e de que ele sabe se eles foram bons ou maus, etc... está errado. 

É por isso que deve-se dizer às crianças que Papai Noel é faz-de-conta, tão logo elas tenham idade suficiente para fazer perguntas a respeito da realidade. Antes de ser uma pedra de tropeço para acreditar no sobrenatural, ele pode ser um trampolim.  Diga às crianças que enquanto Papai Noel é uma faz-de-conta, Deus e Jesus não são.  Diga-lhes que, enquanto Papai Noel só pode trazer coisas que os pais podem comprar ou fazer, Jesus pode lhes dar coisas que ninguém pode – um amigo que sempre está com eles, perdão para as coisas más que eles fazem, vida num lugar maravilhoso com Deus para sempre, etc. Siga as sugestões acima e não mais será Papai Noel um motivo para distraí-los de Cristo.  Diga a seus filhos que Deus nos deu o presente mais maravilhoso, Cristo.

{mospagebreak}Árvores de Natal - Um dos poucos elementos sobre a celebração tradicional do Natal, dos que se opõe a isso, afirmam o que diz na Escritura sobre árvores de Natal.  Especificamente pensa-se que em Jeremias 10:2-4 Deus explicitamente condenava árvores de Natal:  “Assim diz o Senhor: Não aprendais o caminho das nações, nem vos espanteis com os sinais dos céus, embora com eles se atemorizem as nações.  Porque os costumes dos povos são vaidade; cortam do bosque um madeiro, e um artífice o lavra com o cinzel.”

Certamente há uma semelhança entre a coisa descrita em Jeremias 10, e a árvore de Natal.  Semelhança, no entanto, não é igual a identidade.  O que Jeremias descreveu era um ídolo – uma representação de um falso deus – como o verso seguinte mostra:  “Como o espantalho num pepinal, não podem falar; necessitam de que os levem, pois não podem andar.  Não tenhais receio deles; não podem fazer o mal, nem podem fazer o bem.” (v.5)

A passagem paralela em Isaías 40:18-20 esclarece que o tipo de coisa  que Jeremias 10 tem em mente, é. na verdade, um objeto de adoração:  “Também consumirá a glória da sua floresta, e do seu campo fértil desde a alma até o corpo; será como quando desmaia o doente. O resto das árvores da sua floresta será tão pouco que um menino as poderá contar. Naquele dia os restantes de Israel, e os que tiverem escapado da casa de Jacó, nunca mais se estribarão sobre aquele que os feriu, mas se estribarão lealmente sobre o Senhor, o Santo de Israel.” (Is 10:18-20)

Assim, a semelhança é meramente superficial.  A árvore de Natal não  se origina de adoração pagã de árvores (o qual foi praticada), porém, de dois símbolos explicitamente cristãos, do Ocidente da Alemanha Medieval.  A Enciclopédia Britânica explica o seguinte: “A moderna árvore de Natal, se originou na Alemanha Ocidental.  O principal esteio de uma peça medieval sobre Adão e Eva, era uma árvore de pinheiro pendurada com maças (Árvore do Paraíso) representando o jardim do Éden.  Os alemães montaram uma “árvore do Paraíso” nos seus lares no dia 24 de dezembro, a festa religiosa de Adão e Eva.  Eles penduravam bolinhos delgados (simbolizando a hóstia, o sinal cristão de redenção); as hóstias eventualmente se transformaram em biscoitos de vários formatos.  Velas, também, eram com freqüência acrescentadas como símbolo de Cristo.  No mesmo quarto, durante as festividades de Natal, estava a pirâmide Natalina, uma construção piramidal feito de madeira com prateleiras para colocar figuras de Natal, decorados com sempre-verdes, velas e uma estrela.  Lá pelo 16º século a pirâmide de Natal e a árvore do Paraíso tinham desaparecido, se transformando em árvore de Natal.” Mais uma vez, não há nada essencial sobre a árvore de Natal para celebrar o Natal.  Como o mito moderno de Papai Noel, é uma tradição relativamente recente; as pessoas celebravam o Natal durante séculos sem a árvore e sem o semi-divino residente do Polo Norte (papai-noel).

Concluimos, então, que o que é essencial ao Natal é o Cristo (Deus-Homem). Neste assunto temos liberdade cristã para ensinar os nossos filhos e para celebrar o nascimento de Cristo, sem as tradições comerciais do natal.