História da Igreja

Escrito por Elton Melo

TUPINAMBA - 1951
O Norte do Paraná - Tupinamba, distrito de Astorga, fica a 20 km de Maringá - foi, por muito tempo, denominado de A terra da promissão, dado a abundância dos seus frutos e a fertilidade de seu solo. Do Rio Grande do Sul, especialmente, emigraram pra la muitas dezenas de famílias, colonos do interior, que de­mandaram novas terras em busca de novos ganhos.
Entre esses se acharam muitas famílias crentes que não desejavam esconder a sua LUZ e por isso resolveram come­çar um trabalho de evangelização, ali mesmo no sertão.
O INICIO DO TRABALHO - Deu-se com uma visita feita pelo Rev. Alfred Winderlich, a convite de um grupo de irmãos, em 1951, sendo então, organizada a Igreja, na casa do irmão Leon Ziemermann. Desde então o trabalho tem sido atendido por a­quêle missionário, com ex­ceção dos anos de 1952 e 1953, quando o atendeu o Rev. João Sjóberg.

MONTE ALEGRE (TELÊMACO BORBA) - 1954
Foi no ano de 1954 que chegou ao conhecimento de alguns crentes, residentes em Monte Alegre, a existência da Convenção Batista Independente. Desejando conhecer as doutrinas que ensinamos, esses irmãos solicitaram a vinda de um pastor, no que foram atendidos. A primeira visita foi feita pelo Rev. Pedro Falcão, realizando o culto em Lagoas. Antes, porém, os irmãos se reuniam na casa da familía Andrade, onde é considerado o início do trabalho.
INAUGURAÇÃO DO TEMPLO E ORGANIZAÇÃO DA IGREJA - No dia 12 de junho de 1955, os irmãos, com gran­de alegria, se reuniram para inaugurar a sua casa de Oração, contando com a presença do Rev. Bertil Olausson, do Rio Grande do Sul, representando a Sociedade Missionária e o Rev. Pedro Falcão, de Santa Catarina, como representante da Convenção.
À tarde, o Rev. Pedro Falcão, manifestando a sua grande alegria por ser essa a primeira Igreja Batista Independente a organizar-se no estado do Paraná, juntamente com o Rev. Bertil Olausson, que presidia os trabalhos, declararam organizada a Igreja Batista Independente Betel, de Monte Alegre. Contava, a nova Igreja, com 24 membros, sendo eleito pastor o Rev. Pedro Falcão. OBREIROS - Serviram, como obreiros desta Igreja, os pastores Pedro Falcão, Olavo Berg e o atual (1961) Nils Ervin Persson. A Igreja de Monte Alegre, tem sido batalhadora na obra de evangelização, cooperando ativamente no desenvolvi­mento e propagação do Evangelho.
Foi grande entusiasta da instalação da filial da Casa Editora Batista Independente, livraria que vem atendendo com eficiência o evangelismo local e as redondezas. A Igreja conta, atualmente, (Junho de 1961) com 97 membros em plena comunhão.

PONTA GROSSA - 1957
O inicio do trabalho do Senhor, em Ponta Grossa, da­ta do ano de 1957, quando o Rev. Pedro Falcão residia na cida­de de Monte Alegre e fazia visitas periodicamente a essa cidade.
Naquele tempo, unia congregação de umas 30 pessoas, desejosas de se unirem com a Convenção das Igrejas Batistas Independentes do Brasil, solicitou auxílio à Sociedade Missionaria Batista Independente, a qual enviou, para lá, o missioná­rio Bertil Andersson, com sua família. Imediatamente o Rev.Andersson iniciou seu trabalho, organizando a Igreja no dia 8 de junho de 1957, sendo eleito como seu primeiro pastor.
CONSTRUÇÃO DO TEMPLO - Depois de realizar os cultos, em salão alugado, por algum tempo, a igreja adquiriu num arrabalde, um terreno, onde iniciou a construção do seu templo próprio.
Com a retirada do pastor Andersson, para a Suécia, em gôzo de férias, assumiu o pastorado o Rev. Stig Johansson, o qual, com dedicação e entusiasmo, lançou-se no trabalho, tan­to de evangelização como o da construção, possibilitando, em curto tempo, a mudança do trabalho para a sua nova sede, mui­to embora o prédio não estivesse ainda concluído.
EVANGELIZAÇÃO - No setor de evangelização, a Igreja mantem trabalho na Vila Santa Rita, onde o diácono Pedro Lopes doou um terreno para uma casa. Ali, se realizam cultos duas vezes por semana. Há outros trabalhos na cidade, assim como em Ipiran­ga, cidade vizinha.
Além desses, há cultos especiais para a Mocidade, en­saios para o côro, sob a direção da espôsa do pastor, além de uma bem freqüentada Escola Dominical. Através das lutas, a Igreja do Senhor marcha para novas vitórias, em nome de Jesus.

NOVO SARANDI - 1958
Para amainar a terra virgem do novo e próspero município de Toledo, no oeste paranaense, chegou do Rio Grande do Sul, em 1953, a família Julio Wengrant, composta de 11 pes­soas, fixando residência no lugar denominado Novo Sarandi.
O INICIO DO TRABALHO - O irmão Wengrant logo construiu uma serraria. Quando o irmão Albert Pydd, de Marechal Candido Rondou, ficou sabendo da chegada dos irmãos Wengrant, foi visitá-los, levando, consigo, alguns jovens Realizou-se, assim, o primeiro culto na serraria, seguindo-se logo outros com maior regularidade e organizando-se uma Escola Dominical. Estava iniciado o trabalho naquele novo campo.
ORGANIZACÃO DA IGREJA - Para atender o trabalho, foi convidado o missionário Alfredo Winderlich, de Ro­lândia que, em janeiro de 1958, organizou a Igreja Batista Filadélfia, de Novo Sarandi, ficando como seu primeiro pastor.
INAUGURAÇÃO DO TEMPLO - Somente alguns dias após à organização da Igreja, tiveram os irmãos outra fes­ta espiritual, com a inauguração do seu próprio Templo. Na ocasião foram também batizados os primeiros 14 convertidos, no novo trabalho do Senhor.
O jovem pastor, Sigvard Driesner, assumiu o pastora­do no ano de 1959. Entretanto, em junho de 1960, pediu demissão de seu cargo, como pastor, dedicando-se a outras atividades seculares.
Atualmente, a Igreja mantém trabalho em Maripá e na sede Marechal Candido Rondon. Em cada um desses lugares já cons­truiu o seu próprio templo. Uma pequena orquestra coopera, ativamente, no tra­balho da Igreja. Atualmente (Junho de 1961) o número de membros é de 53.

ROLÂNDIA - 1959
O TRABALHO EM ROLÂNDIA - Com a volta dos missionários Winderlich, da Suécia, abriram-se novas portas em Rolândia, onde o casal fixou residência. Ali, um grupo de crentes, com a cooperação financeira dos irmãos de Tupinam­bá e do Rio Grande do Sul, construíram uma capela, a qual foi inaugurada com grande alegria, no dia 26 de abril de 1959, com a presença do Secretário Geral da Sociedade Missionaria de Örebro, Suécia, Rev. Dr. Joel Boström.
A Igreja de Tupinambá conta, assim, com duas cape­las, orquestra e côro misto, duas Escolas Dominicais e uma União de Mocidade. O rol de membros é, atualmente, (junho de 1961) de 43 membros.

NOVA SANTA ROSA - 1960
Até o ano de 1960, a Igreja Batista Filadélfia, de Novo Sarandi, mantinha um ponto de pregação em Nova Sta. Rosa. Mudando-se para lá muitas famílias do Rio Grande do Sul, especialmente da Igreja Zoar, de Tucunduva-RS, achou-se por bem organizar a Igreja naquele lugar. No dia 27 de novembro de 1960, foi festivamente organizada a IGREJA BATISTA INDEPENDENTE, com 69 membros. Estavam presentes os Revs. Olavo Berg, Ernesto Gerstberger e Alfredo Winderlich.
Antes mesmo da sua organização, já a Igreja contava com o seu próprio templo, uma boa orquestra, um côro misto e uma fer­vorosa mocidade estão co­operando, ativamente, na obra do Senhor. Atualmen­te, (Junho de 1961) a Igre­ja conta com mais de 100 membros e está esperanço­sa de crescer cada vez mais marchando para a frente em nome dAquele que nos confiou a grande tare­fa de levar o Evangelho à toda a criatura.

CURITIBA

A Assembleia Geral da Convenção (na época Convenção das Igreja Evangélicas Batistas Independentes - CIEBIB), sob a presidência do Pastor João Batista da Silva, em 1960 decidiu abrir uma frente de pregação em Curitiba. O pastor Noé Valêncio da Silva, então pastor da igreja em Rio Grande (RS), sensível ao apelo missionário veio juntamente com o missionário Lars-Olof (Olavo) Berg e em 19 de março de 1960 iniciaram uma série de conferências na tenda armada que contava com a presença do Pr. Pedro Falcão, então Presidente da Convenção, e do Missionário Stig Johanson da cidade de Ponta Grossa.  

No mês de maio de 1960 o pastor Noé veio de mudança para Curitiba e retomou o trabalho em sua casa. Em janeiro de 1961 alugou um salão na rua Guararapes quase esquina com a rua Sebastião Paraná. Já em 16 de novembro de 1961 iniciou um novo período de conferências com a vinda do Missionário Nils Peter Skåre, que armou sua tenda na Av. República Argentina (perto de onde hoje está o supermercado Festval). E foi durante esta campanha que no dia 3 de dezembro de 1961 que foi organizada a Igreja Batista Independente de Curitiba, com 14 membros, tendo sido eleito como primeiro pastor Noé Valêncio da Silva que permaneceu na função até abril de 1963, quando se mudou para Campinas, passando então ao Missionário Nils Peter Skåre a direção da Igreja.

Os primeiros membros desta Igreja foram: a) por carta: Noé Valêncio da Silva (pastor fundador), Signe Lídia Persson da Silva, Ercílio Diniz, Mariz Diniz, Glaci Diniz, Nilza Diniz, Walter Fuchs, Eva Fuchs e Judite Fuchs; b) por batismo - Samuel Persson da Silva, Rita Raquel Persson da Silva, José de Lara Pereira, Maria Antônia dos Santos e Loise Martins. (este batismo foi realizado na Igreja Pentecostal Filadélfia de Curitiba (Pr. João Ludgren) no dia 03 de dezembro de 1961, às 10h, pelo missionário Nils Skåre). A primeira diretoria da Igreja foi composta dos membros: Pr. Noé Valência da Silva, presidente; Eva Fuchs, secretária e Walter Fuchs, tesoureiro.

A partir da igreja no bairro Portão surgiram igrejas nos bairros de Vila Rosinha, Vila Santa Amélia (atual Fazendinha), São Bráz, Vila Guaíra, Sitio Cercado e Bairro Novo, assim como iniciou o trabalho Batista Independente no litoral do Paraná, em Guaratuba.

 Fonte: Extraido do livro “Quem somos... O que fazemos... Em que cremos..." e http://www.ibivaires.org