Aprenda a orar

Índice de Artigos

CAPÍTULO VI - SEMPRE ORANDO E NÃO APAGANDO

Em duas parábolas do Evangelho de Lucas, Jesus ensina com grande ênfase a lição de que os homens devem sempre orar e não desmaiar. A primeira parábola é encontrada em Lucas 11: 5-8 e a outra em Lucas 18:1-8.

E disse-lhes: Qual dentre vós terá um amigo, e chegará a ele à meia-noite e lhe dirá: 'Amigo, empresta-me três pães; pois um amigo meu, em sua jornada, veio a mim e não tenho nada a pôr diante dele? ”E ele, de dentro, responderá e dirá: 'Não me incomode: a porta está fechada e meus filhos estão comigo. cama. Não posso levantar-me e dar-te. ”Digo-vos: Embora ele não se levante e dê a ele porque é seu amigo, contudo, por causa da sua importunação, ele se levantará e lhe dará quantos ele precisar.” (Lucas 11:5 -8)

“E falou-lhes uma parábola para este fim, para que os homens sempre orassem e não desfalecessem, dizendo: Havia em uma cidade um juiz que não temia a Deus nem respeitava o homem; e havia uma viúva naquela cidade; e ela veio a ele, dizendo:

"Me vingar do meu adversário."

“E ele não quis por um tempo; mas depois ele disse dentro de si: "Embora eu não tenha medo de Deus, nem considere o homem, mas porque esta viúva me incomoda, eu a vingarei, para que por sua vinda contínua ela não me canse".

“E o Senhor disse: Ouça o que o juiz injusto diz. E não fará Deus vingar os seus eleitos, que clamam dia e noite a ele, ainda que demore muito com eles? Eu lhe digo que Ele irá vingá-los rapidamente. No entanto, quando o Filho do homem vier, encontrará fé na terra? ”(Lucas 18:1-8).

Na primeira dessas duas parábolas, Jesus expõe a necessidade da importunação na oração de uma maneira surpreendente. A palavra traduzida por “importunidade” significa literalmente “falta de vergonha”, como se Jesus nos fizesse entender que Deus nos faria aproximar-se Dele com a determinação de obter as coisas que buscamos, que não serão envergonhadas por qualquer recusa ou atraso aparente da parte de Deus. Deus se deleita com a ousadia sagrada que não aceita “não” como resposta. É uma expressão de grande fé e nada agrada mais a Deus do que à fé.

Jesus parecia afastar a siro-fenícia quase com rudeza, mas ela não foi afastada, e Jesus olhou para sua descarada importunação com prazer e disse: “Ó mulher, grande é a tua fé; seja assim como tu queres. ”(Mateus 15:28) Deus nem sempre nos permite obter as coisas em nosso primeiro esforço. Ele nos treinaria e nos tornaria homens fortes, obrigando-nos a trabalhar arduamente pelas melhores coisas. Assim também Ele nem sempre nos dá o que pedimos em resposta à primeira oração; Ele nos treinaria e nos tornaria homens fortes de oração, obrigando-nos a orar pelas melhores coisas. Ele nos faz orar ATRAVÉS.

Fico feliz que seja assim. Não há treinamento mais abençoado na oração do que aquele que vem ao ser obrigado a perguntar de novo e de novo e de novo, mesmo através de um longo período de anos, antes de se obter aquilo que ele busca de Deus. Muitas pessoas chamam isso de submissão à vontade de Deus quando Deus não lhes concede seus pedidos na primeira ou segunda pergunta, e eles dizem:

"Bem, talvez não seja a vontade de Deus."

Em regra, isso não é submissão, mas preguiça espiritual. Nós não a chamamos de submissão à vontade de Deus quando desistimos depois de um ou dois esforços para obter as coisas pela ação; nós chamamos de falta de força de caráter. Quando o homem forte de ação começa a realizar algo, se ele não o cumprir na primeira, segunda ou centésima vez, ele continua martelando até que ele o realize; e o homem forte de oração quando ele começa a orar por algo continua orando até que ele reze e obtenha o que procura. Devemos ter cuidado com o que pedimos a Deus, mas quando começamos a orar por algo, nunca devemos desistir de orar por ele até obtê-lo, ou até que Deus deixe muito claro e muito definido para nós que não é sua vontade dar isto.

Alguns querem que acreditemos que demonstra falta de fé orar duas vezes pela mesma coisa, que devemos “aceitar” a primeira vez que perguntamos. Sem dúvida, há momentos em que somos capazes, pela fé na Palavra ou pela liderança do Espírito Santo, em REIVINDICAR a primeira vez que pedimos a Deus; mas, além da dúvida, há outras ocasiões em que devemos orar de novo e de novo e de novo pela mesma coisa antes de recebermos nossa resposta. Aqueles que foram além de orar duas vezes pela mesma coisa foram além de seu Mestre (Mt 26:44). George Muller orou por dois homens diariamente por mais de sessenta anos. Um desses homens foi convertido pouco antes de sua morte, acho que no último culto que George Muller realizou, o outro foi convertido um ano depois de sua morte. Uma das grandes necessidades do presente é homens e mulheres que não apenas começarão a orar pelas coisas, mas orarão sem parar até obterem aquilo que buscam do Senhor.


Imprimir   Email
Encontrou um erro de digitação? Por favor, selecione-o e pressione Ctrl + Enter.